A pessoa com algum transtorno de ansiedade vive uma situação paradoxal. Por um lado, vive com intensos sentimentos de insegurança e vulnerabilidade, e ao mesmo tempo, tem que dar conta de diversas responsabilidades e tarefas da vida adulta. É como se a pessoa estivesse dividida: tem um lado adulto e responsável convivendo – e às vezes se alternando – com um lado infantil e inseguro. Este contraste pode fazer com que a pessoa se sinta confusa e desorientada. Muitas vezes a pessoa começa a se cobrar, se criticar, não aceitando seu lado inseguro: “mas eu não deveria me sentir assim, eu tenho que ser forte…”. A não aceitação do medo torna a pessoa ainda mais insegura, pois ela passa a ficar com medo de ser dominada pelo medo.
O caminho está em aprender a usar seu lado adulto para cuidar e ajudar seu lado infantil e inseguro.
Imagine uma criança com medo de trovão. Um adulto que a critica e grita com ela, exigindo que ela vença seus medos dificilmente vai ajudá-la a superar usa insegurança. Do mesmo modo, o adulto que se tranca no quarto junto com a criança, fechando as janelas para que os trovões fiquem longe, tampouco ajudaria. A melhor atitude, no caso, seria reconhecer o medo que a criança está sentindo, segurar na sua mão para acalmá-la, conversar e ajudá-la a entender o que acontece e só depois convidá-la a se aproximar da janela, olhar a chuva, os raios e assim começar a enfrentar a situação temida…
O enfrentamento dos medos irracionais é a melhor estratégia para domesticá-los, porém este caminho só funciona se a atitude for primeiro, de aceitação do próprio medo.
Depois, é importante uma atitude de apoio incondicional para ajudar a criança a ir perdendo o medo de sua reação emocional, perder o medo de sentir medo para, então ir perdendo o medo dos raios e trovões.
Esta atitude do adulto que ajuda uma criança a superar seus medos é a mesma que uma pessoa ansiosa precisa ter consigo mesma, esteja ela com Transtorno do Pânico, Fobia Social, Estresse Pós Traumático, etc. Seu lado adulto precisa pegar na mão de seu lado infantil e assustado e ajudá-lo a aceitar o sentimento, gradativamente ir olhando seus temores para perder o medo do que sente e aprender a olhar com mais lucidez para as conseqüências catastróficas temidas, para ver como o monstro não é tão perigoso quanto parecia.

26 Comments
  1. Florencia

    Muito bom o texto, aliás, o blog e não só o blog como o site.Tenho trabalhado na terapia o motivo da minha sp e estou ciente de que veio da minha infância, do medo, da ausência de afeto, carinho e proteção.Vou recomendar o site e o blog aos colegas paniquentos.

  2. Thiátira

    Achei o texto formidável!!! Faz pouco tempo que, com auxílio de terapia, eu descobri o meu “medo-raiz” e gerador de outras diversas ramificações de inseguranças que sinto em minha vida. O texto se encaixou perfeitamente nessa minha descoberta. Tenho 27 anos e sigo bem minha vida profissional, mas o meu emocional é de extrema insegurança, entro em pânico ao pensar em minha vida sem minha mãe seja por minha saída de casa para construir minha família (não importanto qtos séculos demore para isto acontecer), seja por seu falecimento… E me sinto exatamente como no texto, confusa e desorientada.
    Muito obrigada pelas palavras, me ajudarão muito.

  3. fabiana

    exatamente o que tenho, tenho medo de nunca mais ser como eu era antes, e para piorar não vejo expectativa de vida, e somente enxergo rotina, rotina e rotina, até chegar a morte…

  4. fabiana

    desde que meus filhs nasceram não tenho mais vida…o que era para ser o contrario, se torna um tormento ter tanta responsabilidade, me deixou doente, o pânico tomou conta de mim, me trato mas parece que nunca terá fim, que um dia meus filhos precisarçao realment de mim e eu estarei impotente, sei lá…

  5. Kenia

    Ha 3 meses meu pai faleceu, estavamos em casa jantando num domingo à noite sentados à mesa quando ele teve um infarto.Foi horrivel.Fiquei em estado de choque, pois presenciei toda a cena. Um mes depois comecei a ter ataques de Panico, mas eu nao sabia que era Panico, sentia falta de ar, taquicardia, formigamento nos membros, tontura e fui ate parar no pronto socorro sentindo que iria morrer como meu pai.As crises se tornaram frequentes e minha familia começou a me criticar dizendo que eu era fraca e que só eu estava me comportando daquela forma. Minha vida se transformou em um tormento… emagreci 5 kg, perdi o namorado (quase noivo), nao consigo estudar, trabalhar, passear… Ainda nao comecei a me tratar, começo no proximo dia 12 um tratamento com uma psicologa… quero muito ficar bem. Desejo que todos os que tambem passam por isso consigam se curar, pois é muito triste viver assim…

  6. manueli

    ola dr estou escrevendo porque a 6 anos tenho vivido com esta doença gostaria de saber se tem cura o que eu devo fazer para levar uma vida normal?tenho duas filhas pequenas e meu maior medo é não ajudar elas quando precisarem de mim.gostaria de saber tambem se é normal eu ter medo de medir a pressão ?toda vez que eu vejo um aparelho meu coraçao dispara eu uso afluoxetina de manhã e meio de amitriptilina o senhor acha que esses medicamentos ira resolver. por favor aguardo uma resposta…

  7. juliana

    tenho convivido com a SP diagnosticada por mais de 10 anos (tenho 31 hoje). Achei interessante este texto porque é muito comum eu agir como criança após uma crise, muitas vezes esse comportamento continua até alguns dias após a crise. Tento parar, falar normal, mas quando abro a boca para falar sai a fala infantil!
    tenho muitos medos: andar de transporte público, ficar sozinha, ficar em lugar cheio, resumindo tenho medo de qualquer situação que eu tenha que ficar presa como ficar em uma fila ou experimentar uma roupa em uma loja (não posso sair enquanto não tiver vestindo minha roupa) inclusive tenho o medo de trovão.
    Acho que a pior de todas as angústias é a de sentir que não estou vivendo como gostaria. A crise de pânico é forete, mas é momentânea. Mas essa angústia me acompanha o tempo todo.
    Teve uma época que eu nem saia de casa, mas acho que a sindrome do pânico é como uma massa: se não trabalhamos a massa ela vai encolhendo. A partir do momento que pensei isso, passei a me obrigar a viver certas situações. quando tirava uma situação de letra, eu tentava outra mais difícil. A ssim tenho melhorado bastante, mas ainda sinto que sou muito limitada!

  8. Juliana

    è gente, muito dificil nos policiarmos, tive que voltar com o tratamento, tomo alprazolan 0,25 e estou no momento tendo recaídas, tudo fica atormentado, Meu Deus a qem tanto rogo, aiai gente, muito dificil essa vida. Mas vou vivendo, rogo a Deus por todos nós, fikem em paz, e força gente, perseverem.

  9. Peter

    …desde a primeira vez que entrei em pânico (a aproximadamente 4 meses) em alguns momentos tenho vivido desta forma (mas eu não deveria me sentir assim, eu tenho que ser forte…”. A não aceitação do medo torna a pessoa ainda mais insegura, pois ela passa a ficar com medo de ser dominada pelo medo.). Espero que um dia tudo isso acabe da mesmo forma que chegou, só quem passa é quem sabe…a partir de hoje serei um leitor assiduo deste BLOG que no primeiro momento me ajudou bastante.
    Deus abençoe a todos.

  10. Olá a todos que leram estes textos,
    Descobri a mais ou menos 2 anos que tenho SÍNDROME DO PÂNICO.
    Descobri após uma crise violenta que tive e achei que iria infartar! Cheguei a ir na emergência cardiológica, onde foi constatado a crise de ansiedade.
    Desde então estou procurando ajuda para tratamento, pois, aqui no Rio é muito difícil de achar. Não existe muita possibilidade de tratamento.
    Adorei o blog, os textos e os comentários.
    Caso alguém saiba de algum lugar no Rio (preferncialmente gratuito) para me indicar eu agradeço e muito.
    Um ótimo 2010 a todos!
    Deus os abençoe!

  11. Carol

    Olá,

    Bom, esses dias eu fui parar no hospital e acabei sendo diagnosticada com crise de ansiedade. Tenho falta de ar, e sensação constante de estar sonhando. A minha boca fica seca e às vezes tenho formigamentos nas extremidades. Não consigo ficar sozinha. Sinto taquicardia, sensações de pressão baixa, e muita angustia.Choro muito. Tenho MUITO sono e o cansaço mental não me deixa fazer nada. Tenho 19 anos.

    Atenciosamente,

  12. gi

    oi gente..mais ou menos 2 anos que tive a primeira crise de pânico..até no hospital ja fui parar..e entao nao aguentava mais..e procurei ajuda..Isso é algo horrivel mesmo..eu chorei lendo este blog porque é tão triste agente ver que várias pessoas passam por isso..só o que digo pra voces..procurem fazer TERAPIA..estou fazendo ah 4 meses..e nao estou curada ainda..mas sinto que estou melhorando..sem medicação nenhuma..lutando sempre..porque cada dia sem crises…é sempre uma vitória..ja consigo ir em algumas festas..passear..inclusive até em uma boate fui inicio do mes..isso é maravilhoso..sorte pra todos nós..nos encontramos por aki..beijao para todosss..fé em DEUS!!sempre

  13. Natali

    Dr,

    Gostaria de saber algumas dicas do que podemos fazer quando alguém está tendo a crise.
    Meu marido sofre de sindrome do pânico e como não conhecia muito bem desta doença, nunca levei a sério. Já passei por diversas situações, inclusive idas ao hospital, mas depois de um tempo ele fica melhor e volta pra casa minutos depois.
    Ocorrem vezes em que ele acorda no meio da noite por qualquer motivo e começa a ficar ansioso….assim logo começam as crises.
    Gostaria de saber o que posso fazer e se realmente existe risco de algo mais grave acontecer porque na crise ele diz que não consegue respirar e que vai morrer. Realmente existe a possibilidade de parar de respirar?

    Obrigada.

  14. Chariston

    Vivo com este tormento ja fazem uns 25 anos. Nunca mais fui o mesmo. Tentei de tudo que podia pra poder ganhar a confiança perdida e voltar a ser mais feliz, pois hoje a cada dia vejo que este mal ganha força e vai minguando a vontade de lutar contra ela. É mesmo uma coisa muito estranha falar de algo que se sente, porém não se diagnostica clinicamente. E mesmo assim, mesmo conciente, mesmo sabendo que tudo é dentro da gente, nao consigo forças pra lutar contra. Tontura, Deus me livre o quanto a sinto. Ja nao consigo mais firmar emprego, realmente estou entrando pra fila dos desenganados. Desculpem por postar isso aqui. Nao sei se outro lerá. Pois um comentário deste nada ajuda a quem ja vive com esta “maldição” (nome por mim atribuído) 24 hrs por dia. É como um espinho cravado, e dificílimo para o retirar. Deus abençõe a todos voces, e quem ler estes comentarios.

  15. Juliana

    Oi Chariston, Normal ler seu comentario, porq sabemos bem o q é ser portador de panico, e sab, Deus realiza o impossível, mas nós realizamos o possível, vitorioso sua caminhada, de 25 anos com sp nao acha? eu acho? A todo instante mudamos, e nenhum dia é igual ao outro, não se pode lutar contra ela, mas aceitá-la e colocá-la no seu devido lugar. Eu procuro acolhê-la em meu coração, e fazer com que cada coisa fique no seu devido lugar, como os medicos dizem, cada parte do cerebro tem uma função, entao, eu apenas procuro em meu dia a dia reensiná-lo a juntar amarelo com amarelo, lapis com lapis, choro com choro, sorrisos com sorriso, e em tudo AMOR, CONFIANÇA, . nada Dificil as tonteras entao, nossa, concordo plenamente, o que mais tenho tido ultimamente, tonteras, tremosres, medos, sensação d desmaios,. aff, Nao se desculpe, temos o livre arbitrio dado por Deus, Acredite, basta confiar, saber esperar que Deus agirá, persevere, meu msn se qizer, jujulianadiniz@hotmail.com e a todos q qizerem. Vamos nos ajudar. fikem em paz!

  16. Alexandre

    Sempre fui adepto ao espiritismo kardecista, e em uma palestra que ouvi neste final de semana, a palestrante disse: A Ansiedade e falta de fé!! É falta de confiança naquilo que Deus preparou para voce!! É acha que o dia de amanha será ruim, e VOCE PASSA a sofrê-lo HOJE, sem que direcionemos nossas preces a Deus com a confiança que teremos sim um dia melhor que o outro. Portanto companheiros de sofrimento. Tenhamos fé em Deus! O sofrimento depura a alma, e fará com certeza a gente melhor amanha. Pois é certo o que não mata, contribui para nosso aprimoramento fisico, moral e racional!

  17. Vera

    Boa dia a todos,
    Sinto muito por esses sintomas acontecerem com tanta gente. Sofro com essas crises há 20 anos e sempre me achei solitária nessa estrada até me deparar com os comentários deste blog. Apesar de não nos conhecermos, somos irmãos nesta luta e estou torcendo para que todos um dia fiquemos bem.
    Sou da opinião de que as pessoas que sentem isso possuem muita necessidade de controlar os diversos aspectos de sua vida. Não conseguem relaxar porque acham que fazendo isso algo de ruim pode acontecer. É uma crença totalmente deturpada. Podem ter convivido com muitas situações estressantes, que causavam temores e preocupações e isso desencadeou a crise de pânico, ou seja, elas aprenderam a reagir de forma ansiosa mesmo quando as situações de medo já não existiam mais. Não existe nada mais que esteja as punindo a não ser elas mesmas. Uma pessoa, por exemplo, que aprendeu desde criança a questionar suas qualidades, vai desenvolver, mais adiante, a crença de que tudo o que faz, não importa o que seja, não tem muito valor. Isso gera muita ansiedade nessa pessoa porque ela quer ser amada mas acha que não merece e desenvolve escudos e artimanhas para que não se aproximem muito dela. A solidão que isso ocasiona gera muita ansiedade e essa pessoa desenvolve medos, o medo da solidão e de ficar sozinha é um deles. É muito triste não se sentir aquecida pelo amor. Pessoas assim tem que buscar dentro de si forças para levar a vida da forma mais sincera possível. Sem nunca abrir mão de serem elas mesmas. Não importa o que digam. Porque a força de todos está na sua verdade. As pessoas que desenvolvem a crise do pânico talvez estejam muito longe da sua. Um grande abraço pra todos, fiquem com Deus e acreditem Nele pois ele está com cada um de vocês em todos os momentos, principalmente nos mais difíceis.

  18. Sandro

    Tenho convivido com o transtorno do panico a dois anos, sempre sem procurar entender o que esta acontencendo comigo e sim tentando dizer pra mim mesmo que nao ha nada que eu nao tenho nada que isso é frescura tentando impor que isso nao mais aconteca comigo. mas tudo isso parece so piorar as coisas, eu nao tenho controle algum sobre os ataques que praticamente ocorrem o tempo todo, eu sinto tdos os sintomas possiveis tenho quase todas as fobias:(lugar fechado, altura, muitas pessoas, solidão, etc.) MAs lendo as materias desse site eu começo a entender o que se passa comigo e como me comportar. Eu ate as vezes procuro beber pra ficar mais relaxado, funciona na hora mas depois so piora. Obrigado

  19. LILIANE

    EU TENHO COVIVIDO COM O MEDO DE ESCREVER CORRETAMENTE E O PRECOSEITO DA MINHA LETRA 29 ANOS, PODE ATE PARECER UM INDIOTICI MAIS EU VEJO AS OUTRA PESSOAS ESCREVENDO RAPIDO COM UM LENTRA BONITA FICO ME IMAGINANDO QUE GOSTARIA DE ESCREVER ASSIM. EU ESTOU FAZENDO FACULDADE MAIS NÃO ME SINTO SEGURA NA MINHA ESCRITA, O QUE FAÇO?

  20. REGINA

    GOSTEI DEMAIS DO TEXTO. TENHO SPÂNICO HÁ MAIS DE 4 ANOS – FAÇO TERAPIA COGNITIVA, VOU À PSIQUIATRA, TOMO REMÉDIOS, FAÇO ACADEMIA P/ LIBERAR UM POUCO DE ENDORFINA (RECOMENDADO), TRABALHO, SAIO À NOITE. TENHO PAVOR DE FICAR SOZINHA, DE ESCURO E DE FICAR SEM FAZER NADA. MINHA VIDA, APESAR DE ME TRATAR, É UMA CONSTANTE INSATISFAÇÃO E MEDO. NÃO SEI MAIS O QUE FAZER. TENHO UMA RELIGIÃO – TENHO UMA FILHA MARAVILHOSA – SÓ NÃO TENHO UM COMPANHEIRO (SOU SEPARADA). SE ALGUÉM PUDER ME FALAR, ESTOU DISPOSTA A OUVIR C/ O MAIOR CARINHO.

  21. Sislene

    Olá pessoal! Realmente sofrer desse mal não é mole. Tenho SP ha 3 anos. No inicio tive acompanhamento psicologico e tomava Olcadil 2 mg. Com o passar do tempo, me informando mais sobre a doença e fazendo tratamento, consegui superar vários medos. Parei de fazer o tratamento. Não havia mais tido as crises de pânico, mas a ansiedade nunca me deixou em paz. Ontem procurei uma psiquiatra, pois não aguentava mais essa ansiedade louca. Então ela me passou uma medicação: cloridrato de sertralina. Tomei um comprimido a noite, depois do jantar, e após algumas horas fui dormir. Para minha surpresa acordei pela madrugada com os sintomas que todos vcs conhecem, nossa, passei muito mal, dessa vez parecia pior do que todas as outras, depois de cerca de um ano e meio sem crise de pânico, ela voltou. Bom, agora me dirijo ao Dr. Artur. Dr., ha possibilidades dessa medicação cloridrato de sertralina 50mg, ter causado um efeito contrario? Será que encuquei ao ler a bula que diz poder haver aumento de ansiedade. Há cerca de 2 meses parei de tomar o olcadil 2 mg, apesar que não a tomava mais conforme tratamento, apenas quando nao dormia bem, mas me dava bem com a medicação. Sinceramente, nao aguento mais essa agonia. Esta atrapalhando meus estudos, minha profissão. Aguardo respostas. Obrigada. Um abraço a todos!!

  22. luana ,26 anos

    olá a todos , estou me sentindo muito aliviada em saber que nao estou sozinha nessa luta …tive uma crise de SP a um ano e faco tratamento com olcadil de 2mg agora tomo só de 1mg …e faco terapias
    Meu conselho é que todos se amem e se aceitem como sao SP tem cura!!!!!! e nao mata!!!!!!
    Que Deus abencoea todos!!!!!!!

  23. Meu Deus, quanta gente nessa situação horrível. Começo a pensar que é um carma coletivo, sei lá. Queridos precisamos nos unir, nos sentir, trocar idéias e nos amar, como irmãos em uma dor. Talvez assim, com o tempo consiguiremos dispersar esse mal de uma vez de nossas vidas. Sinto muito por mim e por todos vcs. Essa minha criança anterior sente a falta de um pai. É verdade. Um verdadeiro sentimento de abandono. Mas como fazer ela crescer e ver que o pai não está aqui, aliás nunca esteve e então se manter, tomar posse de sua condição adulta. Realmente quando temos filhos que dependem de nós a coisa fica pior. São crianças lutando por um espaço e por sobreviver: vc e seus filhos. Espero que todos cresçam e seja muito felizes. Sustentar-se de pé, enfrentar, solidarizar a dor, o medo, colocar-se bem diante das emoções, é muita coisa. Façamos um pouco de cada vez. Um beijo a todos. Paz e bem.

  24. allyne roffé

    oi! tenho sp desde os 14 anos, pelo menos foi qdo se manifestou… passei por inumrs trataments e só descobri mesmo ha tres anos, venho me tratando e melhorand se comparar com o inicio, mesmo assim ultimament tive algums crises de ficar td paralisada e só melhorar dpois, akbei por descobrir q meu pai causava a maior part de td q sinto. n estou curada ainda mais estes exercicios e ler o site e blog me deram uma força, pois sei q n sou a unica a ter sp. obrigada dr. artur os exercicios s otimos e me ssenti bem n primeira vez q os fiz!

  25. VERONICA

    SEMPRE ACHEI QUE HAVIA ALGO ERRADO COMIGO DESDE BEM CEDO NA INFANCIA.EU ERA ADULTA DEMAIS AOS TRES ANOS E ME SENTIA CULPADA POR TUDO DE ERRADO QUE ACONTECIA A MINHA FAMILIA ,ANIMAIS OU AMIGOS.USEI MASCARA ATÉ HA UM ANO E MEIO ATRAS .EVENTOA DOLOROSOS TIRARAM MEU CHAO E EU NAO CONSEGUIR MAIS ESCONDER QUE EU SOFRIA DE DEPRESSAO,PANICO E ANSIEDADE GENERALIZADA.TENHO MUITA VERGONHA DE SER ASSIM E ISSO ME PREJUDICOU MUITO AO LONGO DA VIDA.TENHO 37 ANOS,MAS SEMPRE ESCONDIR DENTRO DE MIM UMA CRIANÇA DE 4 ANOS,COM TEMORES INFERIORIDADES,SOLIDAO E ABANDONO.HA SEIS ANOS ME CASEI E MEU MARIDO DESCOBRIU QUE EU ERA OUTRA PESSOA.ELE PASSOU A VER AS CRISES E SE CULPOU.EU NAO SABIA COMO EXPLICAR O QUE NEM EU MESMA ENTENDIA.DESCONFIAVA DE POSSUIR ALGUM TRANSTORNO,MAS NO FIM SÓ ME CULPAVA SEM NINGUEM SABER.FIZ MEU MARIDO SE AFASTAR DE MIM E POR ME ACHAR IMERECEDORA DE SER AMADA POR ALGUÉM,CONVENCIR ELE QUE FICARIA MELHOR LONGE DELE.ELE ACREDITOU,ME TRAIU E COMO UM PESADELO PERDIR QUE UM NENEM DE 4 MESES QUE ESCONDIR DE TODOS.DEPOIS DISSO MEU MUNDO VIROU DE CBEÇA PRA BAIXO.PASSEI PELOS SINTOMAS CLINICOS,EMERGENCIAS,ETC.POR FIM FUI ENCAMINHADA PARA UMA PSIQUIATRA,QUASE FUI INTERNADA E PASSEI A TOMAR CLONAZEPAN,AMITRYPILINA E NITRAZEPAN.MAS O QUE REALMENTE TEM ME AJUDADO A LIDAR COM TODAS ESSAS COISAS TAO ESTRANHAS E ASSUSTADORA É A PSICOTERAPIA.NAO FOI FACIL NO COMEÇO,MAS ME AJUDOU E TEM AJUDADO A ME VER DIFERENTE E ME ENSINADO A MUDAR MINHA MANEIRA DE VER A MIM MESMA ,OS OUTROS E A PROPRIA VIDA.NAO POSSO MUDAR AS COISAS QUE ME DEIXARAM ASSIM.MAS ESTOU APRENDENDO QUE POSSO ASSUMIR O CONTROLE DO MEU EU,DA MINHA VIDE E TORNAR O MEU FUTURO BEM DIFERENTE .NAO É FACIL,MAS VALE MUITO APENA TENTAR.SABE PORQUE?PORQUE VOCE,EU,TODOS NÓS,SOMOS CAPAZES DE RECOMEÇAR TODOS OS DIAS,QUANTAS VEZES FOREM NECESSÁRIAS.E ISSO NOS TORNA MAIS FORTE DO QUE IMGINAMOS.

  26. Bianat

    Tenho medo de tempestades porque sofri um trauma em seguida de outro. Gostaria de compartilhar informações, conversas, experiências. Faço tratamento e vejo o quanto é demorado e longo o processo de superação de uma fobia específica.
    Por favor, para o bem do meu e seu tratamento se alguém tiver algo para compartilhar envie mensagens para o meu e-mail.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit