Podemos ver dois lados numa pessoa ansiosa e “assustada” com seus acessos de ansiedade.
Por um lado a vemos como alguém com excesso de emoção, alguém que reage com intensa ansiedade a cada mudança na paisagem interna, de emoções e reações corporais.
Este seria um desequilibrio quantitativo. Para lidar com ele utilizamos várias estratégias para diminuir a ansiedade, como técnicas psicológicas de auto-gerenciamento ou medicação.

Mas há também um desequilíbrio qualitativo. Geralmente a pessoa com algum Transtorno Ansioso tem uma tolerância muito baixa à excitação interna . Ela pode sentir qualquer coisa, numa intensidade baixa e já se assustar, ficar ansiosa. Uma pequena estimulação interna já deixa a pessoa alerta, antecipando algum risco… Para ela, pouco já é muito. Ela é como um estômago sensível demais.

Para lidar com esta intolerância à excitação interna é importante ampliar a capacidade de acolher as reações internas, tolerar suas intensidades e começar a discriminar as diferentes sensações e sentimentos.

Integrando os dois aspectos, podemos observar que, para uma pessoa com baixa tolerância à excitação interna, qualquer estimulação pode levar facilmente à sensação de inundação e ansiedade .

Assim, é necessário não só regular a ansiedade – com técnicas psicológicas e/ou medicação – para diminuir o “risco de inundação”, mas é fundamental aumentar a tolerância interna às reações internas, físicas e emocionais.

10 Comments
    • Fabiane

      O site não existe mais, tem outro?

  1. Elma

    Li e me identifiquei total. Se assito um filme e tem uma cena q me assuste, se 10X assistir aquela cena, 10X tomo susto. Não consigo me controlar. Morro de medo de ficar á noite sozinha, o medo vem sempre com sintomas: taquicardia, falta de ar, formigamento na face é horrivel. Queria me tratar mas não sei como.

  2. Alexandre

    No meu caso, entendo que uma baixa tolerância leva a emoção ficar muito forte. Tolerância ligada a atenção, insegurança, necessidade de proteção. Re-começado um tratamento com terapeuta, na segunda sessão já me sinto muito melhor. Menos deprimido. Impressionante quando vc se observa com ajuda de um profissional. E mesmo que vc se veja parado no mesmo”estigma” por anos, como no meu caso, o importante é percerber e trabalhar para se livrar disto, e também para aceitar os fatos da vida. Engraçado como acabo me sufocando, buscando até no pânico um lugar seguro, pois este sofrimento já conheço, é diferente de sentir um sofrimento novo. Aquele fato da super-proteção maternal, onde quaisquer novidades num mundo “estranho” passamos a olhar com insegurança. É soltar as amarras do medo e seguir trilhando o caminho. O medo vai existir, a ansiedade também, tal como a felicidade, a coragem, a disposição em vencer, entre outros sentimentos peculiares a vida. Entendo que apesar de medo, não precisamos de alguém para segurar nossa mão, e sim olhar para frente e caminharmos com coragem e determinação. Fiquem com Deus, e força!!

  3. MLC

    Meu pai tem a síndrome do pânico há mais de 10 anos e sempre falou dela como incurável. Ele toma medicação regularmente, mas desistiu da terapia por achar que não surtiu efeito nenhum.
    De tudo que eu já li a respeito da síndrome do pânico, a frase “tem cura” está sempre presente. É possível? As crises de pânico são sempre acompanhadas por depressões agudas?
    Por que, mesmo seguindo o tratamento recomendado por vários anos, as crises não param?

  4. Alda

    Preciso relatar o que se passa comigo. Ás vezes acredito estar ficando louca! Peuenas coisas do dia a dia me deixam desorientada. Mas as coisas das quais não tenho controle são especialmente mais dificieis de vivenciar. Sei que não tenho controle de absolutamente nada em minha vida, sei que Deus está no comando e toda a minha existência pertence a ele, mas nos momentos de crise, esqueço desse detalhe!
    Para dar um exemplo, que por sinal desencadeou minha crise de ansiedade agora. Estou nesse exato momento, passando por ela. Hoje tive que viajar e deixei meu filho de 14 anos na casa de um coleguinha, cheguei as 18h e vim em casa apenas para buscá-lo para fazer uma prova, enquando eu orientava meus alunos num trabalho do EAD. Confesso que tenho andado meio nervosa ultimamente, mas raramente levanto a voz ou perco a paciência com meus filhos. Enfim… cheguei em casa e perguntei a ele se já havia comido, ele disse que não. Imagine! Um rapaz de 14 anos com 1,80m do meio dia até as 18h sem comer nada. Não porque não tivesse, apenas por que não quis” Pronto… já entro em pânico, penso logo em anemia, leucemia e morte. Ele têm dois sopros no coração e precisa se alimentar… só que ando cansada de ficar perguntando se já comeu… se já escovou os dentes…
    Dei-lhe um Nescau e levei-o pra fazer a prova! Encontrei-me ocm minhas alunas e atendi-as no que foi necessário! Porém estou com os sintomas de ansiedade desde o momento que pensei na falta de alimentação do meu filho! Suor frio, mãos dormentes, tontura e tudo o mais! Tudo bem!
    Chegamos, preparei a janta e o fiz comer, junto com sua irmã. Fomos ver TV, os três, e eu tonta na cama! tudo por causa do medo. Incrivel, passou na TV uma noticia sobre o homem que violentou e matou seis em Goiás. Ahhhhhhhhhh! Foi a gota dágua. Começaram as palpitações, e, com certeza minha pressão arterial subiu. Não a medi, por medo de sair correndo pro hospital. Aliás, o aparelho de medir está aqui do meu lado.
    Nesse momento, fico super irritada, mal humorada… chego a ter o rosto transformado, pois quem chega perto de mim percebe. Faço de tudo pra que não percebam, mas não tem jeito.

    Preciso de ajuda, porque inclusive não tem sido facil me olhar no espelho, ando tão envelhecida. Tenho vontade de me esconder em casa, sair do trabalho, trancar meus filhos comigo e esquecer do mundo. SEi que isso é insano… sei mesmo! Mas é minha vontade, latente!

    As vezes penso que vou enlouquecer… ando pela casa, me escondendo pra medir minha pressão sem que me vejam… me tranco no banheiro, daí fico com medo de morrer lá dentro e destranco a porta.
    Noutro dia contei para uma amiga muito intima tudo isso e ela disse-me que já havia passado por isso também quando morava só em São Paulo, mas que Deus a curou.
    Sei que Deus pode me curar… Aliás.. algumas vezes fico melhor, noutras voltam todas as sensações novamente…

    Preciso de ajuda!

  5. Alexandre

    MLC, acho que cada caso tem sua própria característica, inclusive em como a pessoa se posiciona frente a ela. No meu comentário de março, acima, eu estava no re-inicio do tratamento psicoterapico e medicamentoso. Hj depois de quase 1 mes me senti como se nada houvesse mais de errado comigo. Consegui deslanchar na terapia, identificar pontos fundamentais que faziam em me sentir encurralado, e sair debaixo da mesa, de uma posição de fulga e de se esconder para lutar, aceitar as diferenças e mudanças do mundo, e conquistar aquilo que tenho por direito frente a minha vontade e capacidade de construir. O tratamento medicamentoso nem sempre resolve de primeira, e as vezes é necessário revisá-lo, mas a terapia é algo que além de fazer voce amadurecer, recicla seu comportamento e idéias no sentido da cura definitiva sim. As vezes resgatamos algo anterior ou nos preparamos para um futuro melhor, e mesmo sendo muito dificil, NUNCA DESISTIR é o lema principal. Pois se voce deixar uma divida hoje, ela será cobrada amanha, portanto o foco é resolvê-la em definitivo. Mas como disse,ca da caso é um caso, e cada se coloca de uma maneira frente as dificuldades. Alguns por exemplo até gostam de sentir medo, assim se sente mais seguras, antecipando quaisquer eventualidade que possa ocorrer com a falsa impressão de “ahh eu sabia que isso ia acontecer um dia”. Agora querer viver em função disse, é escolha pessoal. Boa sorte.

  6. Ana Lucia

    Agradeço os comentários. Ajudaram a me situar quanto aos meus sentimentos. Estou com um bolo na garganta e com ânsia de vômito leve, às vezes. Imaginei estresse e procurei na internet. Imagino que deve haver vários graus ou sinais de vai ocorrer o pânico? Sou muito ansiosa, hiperativa, e gostei do comentário sobre terapia. Obrigado a todos!

  7. will

    MLC e aos outros amigos
    .
    eu adquiri um livro de como se livrar do pânico sem remédio, estou gostando,,,, um coisa que vou ensiná-los que consta no livro até parece suicídio, mas funciona, toda que vez que sentir que o pânico está chegando, diga o seguinte: venha logo, mostre todo seu poder, quero sentir até onde você consegue chegar, meu corpo aguentará o tranco,,,,,, é impressionante, mas o pãnico começa a se afastar e seu corpo relaxa,,,,ou seja, você não vai enfrentá-lo, vai convidá-lo a se apresentar, mas vai enfraquecê-lo,,,,,,,,,,quem quiser ver o seu site que comprei é o seguinte: http://www.sempanico.com.br,,,,,,boa sorte a todos

  8. mario

    BOM DIA! TUDO BEM :, PARA MIM NO NO ESTA TUDO BEM PRECISO AJUDA ACHEI VCS ESPERO PODER FAZER CONTATO CON ALGUIEN QUE ME PUEDA AJUDAR CON LOS PROBLEMAS QUE TENHO ESTOU PARADO NO SEI LLEGUEI NO FUNDO DO POÇO, ME AJUDEM.GRATO MARIO

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit