A crise de pânico parece uma ameaça de ruptura interna, onde o “eu” é invadido por forças que o ultrapassam. O “eu” é aquilo com que me reconheço e me identifico, minha identidade, meu pensamento e meu corpo, como eu habitualmente os reconheço, dentro de certos padrões de estabilidade e funcionamento.

De repente as reações que brotam em mim parecem descontroladas, o coração começa a bater sem razão, as mãos gelam, a mente produz pensamentos catastróficos, e eu não tenho mais controle…

Eu fico como um barco à deriva numa tempestade de ondas gigantes, descontrolado, inundado, podendo virar e afundar a qualquer momento; não há nada que eu possa fazer, nem um lugar seguro onde eu possa ficar. É o estado de pânico puro.

Com a repetição destas experiências, a tolerância da pessoa às suas reações corporais vai diminuindo, ela passa a temer cada vez mais as reações em seu corpo, começa a monitorar cada sensação diferente como possível sinal de perigo e a evitar fazer coisas que possam causar reações temidas. Inicia-se assim um processo de restrição, limitação progressiva e perda de segurança.

O processo de superação deste estado de insegurança está em (1) compreender melhor as reações que estão ocorrendo para se deixar de tentar (impotentemente) lutar contra as ondas e (2) gradativamente, aumentar a tolerância a estas reações do corpo para que a pessoa possa aprender a conviver com certo grau de descontrole sem acreditar erroneamente que este estado vai levá-la ao colapso. Quanto mais a pessoa teme suas reações, quanto mais se desespera pela falta de controle, mais ansiosa fica e consequentemente maiores serão as reações em seu corpo. É a luta contra o descontrole e o entrar em desespero pelo que está ocorrendo que criam um estado mais caótico dentro de si.

Deixar vir, esta é uma atitude a ser conquistada.

Na verdade, a tempestade da crise de pânico não é capaz de “virar o barco”, apesar da pessoa acreditar piamente, durante uma crise, que seu barco está afundando.

20 Comments
  1. Thiátira

    Eu já passei por inúmeros momentos de pânico em que, como dito no texto, nenhum lugar era seguro, justamente pq o medo estava em mim. A sensação é de tamanho desespero q minha vontade acaba se tornando muito confusa; eu queria estar num lugar onde não houvesse ninguém, nenhuma movimentação, sem cidade, sem casas, sem sociedade, absolutamente nada, algo como uma outra dimensão onde só existisse eu e mais nada, um lugar em q não houvesse possibilidade de haver situações q me disparace quaisquer reações, mas ao mesmo tempo tinha medo de estar num lugar longe da minha casa e de minha mãe, meu porto seguro, pq afinal de contas essa outra “dimensão” seria pra mim um lugar desconhecido e como eu estaria sozinha me sentiria vulnerável.
    Ainda estou em tratamento medicamentoso e terapeutico, mas numa fase infinitamente melhor. Há muito tempo não tenho crises deste tipo, aprendi a controlar meus pensamentos para q não entre em estado de desespero. Estou vivendo um momento quase que totalmente “Deixa vir”, ainda tenho alguns receios mas eles não estão mais me impedidno de vivenciar experiências novas.

    Amo esse blog, me sinto completamente compreendida aqui. Parabéns, mais um texto fantástico.

  2. Ana B

    É domingo. Início de noite. O dia inteiro se foi e eu ainda não saí do meu quarto, esperando, buscando paciência para que essa “coisa ruim“ vá embora. Mas decidi abrir o notebook e procurar uma conversa. Uma conversa sobre pânico, que me dissesse tudo que já se, mas que também dissesse, mais uma vez, que vou ficar ok, que vou aprender esse “deixa vir”. Encontrei um texto que me trouxe a esse blog. Obrigada por dividir tantas delicadezas desse assunto. Já estou me sentindo melhor.

  3. É, realmente aprender a deixar vir leva tempo. Eu ainda se estou aprendendo. Ainda me pego pensando em ir ao milésino médico pra saber como está minha pressão arterial ou se tenho alguma coisa física. Felizmente existem as pessoas que junto com esse blog me mostram que se pode chegar lá. É possível sim encontrar a borda do poço e sair pra ser feliz. Obrigada por existirem.

  4. Alexandre

    Hoje entendo na pele esse deixa vir… minha terapeuta sempre falou isso… pague pra ver… tenha “culhão” e aguente firme, pq ninguem nunca morreu, e nunca morrerá disso. E tem razão, temos mesmo que aprender a lidar com isso. Na realidade acredito que todas as pessoas sentem sintomas de ansiedade, mas não “ligam” como nós… portanto muito do que sentimos, todo mundo sente. Massssss… quem disse que não “H” é fácil? Na hora em que os pensamentos giram dentro da cabeça, que falta uma ancora ou que é dificil manter a atenção em uma só perspectiva, você consegue de “boa” controlar e deixa vir?!? Hoje estou sem medicamentos e terapia, parei a cerca de 30 dias, pois minha vida era um “mar de rosas”, mas voltei a ter alguns sintomas, e pôr essa âncora aqui é importante para ter força e continuar a remar. Sim, é dificil, se eu pudesse escolher entre deixa vir, eu prefiriria nunca mais sentir mesmo… seria muito melhor.

  5. Icaro

    Realmente e muito dificil na ora da crise “Deixar vir”, mas acho que o caminho e esse tambem… estou passando por isso desde novembro passado e controlando com remedio, e em breve me preparar para terapia.. força a todos!

  6. Luciane

    Bem eu tive por 11 anos crises, só tomando remédio,mas os remedios não ensinam a lidar com os problemas,apenas param as crises, na verdade eu me apeguei ao remedios com uma bengala,mas meu marido sempre me dizia vc não precisa disso,aí comprei estes e books Livre se do pânico aí comecei a entender melhor,e decidi procurar uma terapia para fazer, faço TCC e já consegui várias conquistas,já não tomo remedios a mais de um ano,tenho ainda muita ansiedade mas deixo ela vir,não fico fugindo dela, porque quanto mais a gente quer se livrar mais ela gruda,aí eu deixo ela vir e fico só de telespectador ,as vezes eu debocho dela,duvide sempre dos seus pensamentos eles mentem ,aí tb tem o A.C.A.L.M.A S.E que me ajudou muito tanto que eu tenho grudado na porta da minha geladeira toda vez que me sinto muito ansiosa eu leio este metodo, e tudo melhora!!! E mais ou menos isso,se soubesse que era tão simples assim eu já teria feito há muito tempo!! sucesso para todos

  7. Ana Cristina

    Tive uma crise que incluiu varios dos sintomas descritos nos textos que li aqui. Do nada, a respiração ficou curta, as mãos suando, um mal-estar generalizado foi tomando conta de mim. Tive náuseas e dor no peito. Como meu pai faleceu há cerca de um mês por problema cardíaco, o primeiro pensamento foi que eu estivesse enfartando ou algo assim. Os exames feitos no hospital não revelaram nenhuma irregularidade. Não sinto medo de nada especificamente, mas as sensações físicas ruins desde então não pararam (faz 2 semanas); vem em ondas. Não tive mais uma crise daquela, porém não estou no meu “normal”. Tenho constantemente a respiração alterada, formigamento pelo corpo, durmo mal. Procurei um terapeuta já velho conhecido, que é uma pessoa em quem confio muito. Ele sugeriu que pode ser um transtorno de ansiedade e me receitou um medicamento, além de me aconselhar a fazer exercicios aeróbicos e também me indicou alguns livros. Segui as recomendações dele, mas não senti nenhuma melhora nesses 4 ultimos dias. Gostaria que, se possivel, me dessem algum conselho prático de como me livrar dessas sensações ruins. Estou me sentindo muito infeliz e quero muito superar isto e voltar à minha rotina que é muito boa e produtiva. Vocês podem me ajudar?

  8. Gislene Godoy Antunes Morelo

    Bom dia a todos…bem, também sentí (e ainda sinto) tudo…cada barulho que meu corpo produz…só que, o que antes me assustava (e muito) está passando a ser comum…estou reaprendendo a não ter mais medo disso…”estou aprendendo a deixar vir” Obrigada por tudo Dr. Arthur…….

  9. Alessandra Cristina

    Uma tarde cinza colabora para que meus pensamentos se tornem cada vez mais angustiantes. Minha maior crise foi em 2009 qdo perdi 9 kg em 7 dias não conseguia comer, e tinha que fazer uma enorme força para dar atenção a minha querida e amada fihinha.
    Passou-se quase 1 ano e meio sem nada e agora hoje especificamente voltou,aquela sensação aterradora de uma morte que nunca chega e um medo real de enlouquecer.
    Sou estudante de psicologia e estou tentando ao maximo introduzir os conhecimentos dos livros nessa nova caminhada, mas agora mais experiente, mais calejada , mas ainda com medo. Mas quero dizer a todos que um dia tiveram essa sensação que o segredo esta em algumas ações:
    1- aprenda e respirar pelo nariz e a usar seu diafragma isso vai lhe ajudar muito;
    2- quando vier um pensamento sinistro , daqueles que não tem nada a ver sacuda a cabeça, funciona como se vc joguasse eles para fora de seu cerebro;
    3 – não tenha medo de sentir as sensações, sei que elas são assustadoras mas somos nós, o dono dessa maquina, que se chama cerebro;molhe os pulsos e a nuca com agua bem gelada, dispersa a atenção;
    e diga para si mesmo: ansiedade, angustia vc pode vir mas venha com a sua maior força para me derrubar, peça para ter, peça para vir a crise, e lhe dou absoluta certeza de que as sensações vão diminuir. Tememos a crise por isso ela é tão dificil de ser superada, tememos os sintomas.
    4- esse é o ultimo e talvés o mais dificil, tente ter momento de felicidade, se permita sair desta casca de proteção, saia para dar um passeio na natureza, sinta a terra ou sei lá, faça algo que lhe agrade.
    Hoje é um dia dificil mas amanhã vai ser melhor, tenho certeza.
    Fiquem com Deus.

    • Giulia

      Cara Alessandra Cristina, obrigada pelos conselhos! Serão muito úteis para mim e outras pessoas que por aqui passarem à procura de algo que amenize esse medo e sensações terríveis.
      Fique com Deus!

  10. Bruna

    Eu tenho essas crises de horror q toma conta da minha mente. Ñ tenho mais controle da mente quando tudo começa. Ñ são pensamentos meus,são aqules q tomam conta da mente num segundo. Aí começa o pânico,o medo deles,me sinto impotente por ñ conseguir fechar a porta p/eles. Minha cabeça é revirada por eles,eles tomam conta,vem aquele tremor no corpo,muita sensação de frio,naúseas,dores no peito,eu ñ tenho mais os meus pensamentos nessas horas de crise,muiito medo deles,mas tento me acalmar falando p/mim mesmo: Isso só tá aqui me atormentando porque estou doente,esses ñ são meus pensamentos,são aqueles q quando vejo na TV choro,tenho medo,acho um terror,mas como eles sabem q tenho medo deles eles vem c/toda força…Quanto mais eu tenho medo e tento me questionar,pensando q eu sou louca,mais eles crescem e viram um filme na minha cabeça,tudo c/mesmo sentido de horror…Marquei psicólogo,espero melhorar…Pois só vivo em funçao do medo,pois todo momento q acho q eles foram,é só eu ver q parece q estou ficando melhorzinha…A crise começa,vem devagarinho e num instante toma conta…Será q um dia,se Deus vou me livrar disso???Rezo muito e peço á Deus p/eu melhorar,pois isso tira toda minha vida,ñ sei mais o q é felicidade.Quando vem essa crise de pânico,parece q nunca vou melhorar,me sinto culpada pelos pensamentos,achando q teria q controla-los e ñ deixá-los entrar,mas ñ consigo fazer isso,eles são mais rapidos. Nessas horas me sinto impotente e só penso q a única solição é fazer alguma besteira p/essa dor passar,q é a pior dor da alma,vc ñ quer pensar uma coisa e ela tá ali. Mas penso no meu filho q é razão do meu viver e ele precisa muito de mim.
    Começou na sexta-feira 13,,até então nunca tive problema c/esse dia,mas foi nesse dia q tudo começou,pode ser coincidência…

  11. Alex

    foi muito importante saber desse “deixa vir”, estou há 2 anos tomando medicamentos, sendo eles frontal xr e sertralina.
    sei que os medicamentos são importante, mais ja me sinto capaz de deixa-los, tentei 3 vezes parar e medicação, e estou na ultima tentativa.
    fazcinco dias que reduzi na metade os dois medicamentos, e é clara que vou sentir algumas sensações fisicas do tipo, espasmos pequenos, taque-cardia, tontura,calafrio e sintoma de desabando, por enquanto só senti tontura leve e desconforto intestinal, até a as fezes muda a cor, mais clara.
    o “deixa vir” vai me auxiliar muito, ja estou adotando este metodo. ja que na minha vida tudo foi assim, no peito e na raça.
    foi de grande valia as respostas publicadas, obrigado e força aos companheiros.

  12. ALINE

    “Gostei desse deixar vir”, vou tentar colocar em prática… Sofro demais, perco o controle e já pego logo o aparelho de pressão, lógico que a pressão altera, mas vai colocar isso na mente… mas eu sei que vou conseguir… e o pior é que as pessoas não entendem…
    abç, fiquem com deus!

  13. Filipe Holanda

    iai galera.. hj é 24 /11/11 , e ja faz trez dias q comecei a sentir ataques… fui em tres medicos e me dissera mq era a sindrome do panico. Então resolvi estudar o assunto, porem em nada q se encontra na internet fala sobre um sintoma q eu sinto, diferente de todos os q são sitados… Sinto falta de ar, furmigamento das mãos , pés e rosto, pensamentos de morte, coração acelera, a pressão sobe.. Até ai td bem, mas uq acontece de diferente comigo é que minhas mãos se fecham sozinhas e eu não tenho força pra controla-las… Será q tenho uma sindrome mais evoluida ou esse sintoma é comum, apenas ñ esta escrito em lugar nem um na net… Por favor alquem q realmente saiba , me responda, pois se for realmente a sindrome do panico, ja nem to com tanto medo, pois aprendi aqui mesmo o tal do ” DEIXA VIR” q na minha opnião é a unica coisa q se pode fazer no momento… só faz trez dias q sinto isso… mas é a pior coisa q senti em toda vida… sou cantor , ñ tenho medo de sair em multidões ou coisa do tipo, minha sindrome começou por causa de ansiedade.. minha duvida é sobre as minhas mãos q durante a crise elas se fecham e ñ consigo controlar… isso é normal na sindrome ?

  14. Joana

    Filipe, eu tive minha primeira crise há dois dias e o que mais me apavorou foi o fato das minhas mãos se fecharem. Tive certeza de que estava tendo um derrame cerebral, o que acelerou o mecanismo dos outros sintomas (taquicardia, falta de ar, pressao alta…). Fui pro hospital e a médica disse que faz parte sim dos sintomas, mas poucas pessoas apresentam. Vamos tentar ficar calmos e, se houver uma próxim vez, vamos “deixar vir”. Um abraço a todos.

  15. Ola .
    Meu nome e Andressa tenho 22 anos e faz um mês que sofro desse transtorno ,
    Taquicardíaco ,Falta de ar ,Tontura ,Minhas mãos soam ,fraqueza pois desde então não consigo me alimentar direito,enfim tudo que me deixa com medo de partir .
    Teve dias que fiquei na cama com medo de que meu coração acelerasse ainda mais .
    Tive medo de partir e deixar minha família de deixar meu filho de apenas 4 anos ele precisa de mim e não poderia abandoná-lo.
    Depois de todo esse acontecido decidi procurar ajuda ,pois isso não iria me derrubar ,primeiro pedi a Deus perdão por todos os meus pecados e me aproximei dele .
    Pois tinha esquecido de quem tanto me ama de quem e meu amigo pois depois que isso aconteceu todos os meu AMIGOS alias quem eu achava que eram meus amigos me abandonaram …Fui a igreja e o Pastor me disse assim não olhe pra teu marido, não olhe pra ninguém ,olhe pra Deus e desde então eu olho apenas pra ele pois ele e o único que pode me ajudar que pode me salvar que eu posso confiar .
    Eu sei que Deus me perdoou não vou dizer que simplesmente melhorei ,ontem mesmo fui pro hospital e mesmo o medico dizendo que na ha nada de errado comigo e com meu coração eu ainda estou com medo mais eu confio em DEUS e sei que ele não vai me desamparar e nem me abandonar confio nele de olhos fechados e se você esta com este mesmo problema ajoelha e peca pro Pai entrega teu coração nas suas mãos que mesmo que haja algo Deus faz milagres Deus e maravilhoso não ha nada que ele não possa curar não ha nada que ele não possa fazer.
    Eu já entreguei minha vida nas mãos de Deus entregue sua vida nas mãos dele que você vera o MILAGRE acontecer .
    Eu ainda vou voltar pra contar o meu milagre pois Deus tem coisas grandes pra mim e pra vocês .
    Fiquem com o Papai do Céu.

  16. eu tenho essa síndrome já a algum tempo, vou dizer que ela insiste em ficar comigo de repente o medo meu Deus estou indo em uma igreja evangélica e fazendo campanha esta me ajudando mas acho que minha fé ainda é pequena.
    Quantos pensamentos ruins passa na minha cabeça .
    Agora acho que vivo com a pressão alta porque doi meu pescoço.
    O pior desse pânico é que eu não consigo fazer exames e nem ir nos médicos me ajudem preciso ir no dentista porque quebrou um dente mas na hora saio do consultório não consigo.
    Quando tive o pânico a primeira vez na morte do meu pai eu ia direto nos médicos já essa segunda não consigo ir sera que é assim mesmo

    • Raquel

      Débora, isso já está limitando demais sua vida. Procure ajuda psiquiátrica.

  17. Raquel

    Adorei sua descrição, quase uma poesia. É bem isso.
    O “deixar vir” é um passo importante, pois como citado diminui a ansiedade, mas não é o bastante, só faz parte da compreensão. É necessário buscar tratamento, eu “deixei vir” por 10 anos achando que a razão superaria esse descontrole, minhas crises nunca melhoraram, só a forma com que eu as encarava é que melhorou.
    Busquem compreensão e tratamento, leiam muito, entendam o que acorre com seu corpo para que a qualidade de vida possa ser restabelecida.
    Abraços

  18. solange

    Boa noite…. sou uma pessoa q tenhe medo de sair só, tenho medo de ta em lugares de muito movimento. Tenho ansiedade, Eu fico sem vontade de viver com medo do mundo se acabar e eu não ter construído uma família. Eu fico com falta de ar uma agonia, suando frio e parecendo q estou ficando doida pq nada eu raciocínio. O q será isso? Quero uma resposta.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit