A ansiedade é uma emoção voltada para o futuro. O corpo da pessoa está presente, mas sua mente está voltada para o futuro, esperando que algo de ruim aconteça.

A pessoa fica dividida: parte dela está presente e parte dela está se projetando para frente, num cenário construído mentalmente cheio de incertezas, perigos, etc.

Toda pessoa que apresenta algum transtorno ansioso (Transtorno do Pânico, Fobias, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Transtorno Obsessivo Compulsivo, etc) vive esta divisão interna, com forte projeção mental no futuro, mesmo que num futuro próximo, criando na mente cenários que fazem a pessoa sofrer intensa e constantemente por antecipação: “vou passar mal”, “vou ter aquilo de novo”, “vou morrer”, “vai dar errado”, etc.

Caso a pessoa conseguisse mergulhar em seu momento presente, a ansiedade tenderia a diminuir dramaticamente, ou mesmo se dissolver. Quando a mente retorna para as pre-ocupações com o futuro, a ansiedade reaparece.

Um primeiro modo de se fazer presente é se observar, se perceber, mesmo estando mentalmente preocupado com o futuro.

Então, feche os olhos e observe seus pensamentos. Dedique alguns minutos a isto.

Os pensamentos no estado ansioso geralmente seguem padrões repetitivos, manifestando preocupações – “estou passando mal”, “devo ter uma doença séria”, “aquilo vai acontecer de novo”, “e se der errado” etc – criando cenários catastróficos, levando você a se sentir cada vez mais ansioso. Estes pensamentos automáticos negativos mantém a ansiedade ali, te consumindo.

Desenvolver o “eu que observa”

Apenas observe e comece a aprender sobre você e seu funcionamento mental. Comece a perceber como há automatismos de pensamento que dominam sua mente e levam você a se sentir cada mais ansioso.

Durante o exercício não tenha pressa e não espere nenhum resultado imediato. A pressa é um sinal de quem está voltado mentalmente para o futuro e seu objetivo agora é enraizar sua presença no agora, numa atitude de espectador e de não identificação com os pensamentos. Não se preocupe de tentar parar ou mudar os pensamentos, mas reconhecer estes automatismos que eternizam sua ansiedade. A meta agora é de reconhecimento/aceitação e não de controle.

Você vai começar a perceber que o perigo não está no aqui e agora, mas é cultivado através destes pensamentos negativos e catastróficos. Você pode perceber que surgem em sua mente pensamentos de julgamento e controle: “eu não deveria estar sentindo isto”, “meu coração não está normal”, “isto não deveria estar acontecendo”, etc

Quando você sai da identificação com o “eu que pensa” e passa a centrar sua consciência no “eu que observa””, você começa a enfraquecer estes padrões automáticos de pensamnto, retira parte de sua energia e começa a criar uma nova experiência interna. Este é um primeiro passo.

25 Comments
  1. Venson

    Muito bom post.

  2. André Malheiro

    claríssimo. vcs deviam postar no facebook. a propagação ia ser muito mais rápida. esse tipo de informação pode ajudar muitas pessoas.

  3. gislene Morelo

    Dr. Artur, o que dizer? Maravilhoso este post….quando você me diz sobre este tema “o eu que observa” na sessão é fácil….mas fora dela é difícil…a gente acaba “esquecendo” o que fazer…..realmente fantástica ter feito a transcrição deste….a partir de agora, será meu “impresso” de bolso “obrigatório”….obrigada por tudo!!!

  4. Athenas

    Por favor, não deixe de publicar seus artigos. São tão importantes àqueles que necessitam, como eu.
    Deus te abençoe muito.
    Abs,
    Athenas

  5. Michele de Brito

    Nossa estou sofrendo com essa situação a quase dois anos,e nunca recebi uma instrução como esta !!! Meu médico me entopiu de remedios e comecei a ficar dependente deles. Resolvi parar por minha conta. Talvez minha atitude nao esteja correta,mais mesmo tomando remedios cheguei a um patamar q nao fazia o efeito desejado. Enta tomando remedios ou nao tinha crises do mso jeito. Precisamos de medicos preparados como vc q apenas um comentario na internet muda o curso da vida de uma pessoa,q esta sofgrendo e muito. Essa doença nao e brincadeira,obrigado por td.
    Deus Abençoe.

  6. Michele de Brito

    Olha Dr gostaria de poder achar um médico tão competente como vc. Hj em dia é muito dificil entramos consultorio e esta estampado na cara do medico q tds q entram ali falam a mesma ladainha…Já troquei de remédio 5 vezes e infelismente nenhum deles foi capaz de me ajudar ao contrario tive um problema sério e engordei 15 quilos. Meu ginicologista disse q teria q tomar outra medicação q não alterasse essa parte hormonal e o psiq. não concordou. Eu estou tão cansada desse puxa e encolhe q parei de tomar os remedios.Não sei se foi correto ou nao. No entanto com remedio ou sem dava as crises da mesma forma. Ja estava tomando os remedio a 1 ano e meio.
    E nenhum dos tratamentos foi eficaz. Agora estou pesando 120kl tenho 29anos,e fora essa parte desses sintomas,ainda tenho q lidar com essa baixa estima. Nossa tem horas q fico pensando será q vou conseguir vencer isso. Não saio de casa a exatamente 1 ano e meio. Não vou ao mercado,padaria,na calçada da minha casa,na casa da minha propria mãe q mora na esquina da minha casa. Me sinto paralisada diante da doença.Minha familia fala q sou fraca,eles acham q me atacando com palavras,vão me dar um chaqualhão para a vida. Mais infelizmente isso nao ocorre. Me sinto de mal a pior.Tenho duas filhas uma de 5,e uma de 1 ano e 3 meses. Por favor me ajudaaaaaaaaaaa !!!!! Esse site e o blog me ajudaram muito,mais preciso de mais. Mais informaçao,mais ajuda,mais socorro!!!

    • juliana

      Olá michele, sou juliana e t enho varias comentarios neste blog, se vc ja olhou varias mensagens, irá notar que tenho postagens em varias situações. Bem o que posso lhe dizer, pra lhe ajudar?!!!! Tenho 27 anos, sou mae solteira d uma menina linda de 1 aninho. tenho panico a 3 anos. moro sozinha, longe de parentes. fiquei + de 7 meses desempregada,so agora a um mes encontrei um novo emprego, nestes 7 meses tive muitas recaídas, e encontrei novos profissionais amigos q me ajudaram a me reerguer. bem isso é o resumo de mim. O melhor e o q quero te dizer é que somos os principais medicos de nós mesmos, procurar se autoconhecer, se amar, aceitar essa realidade, perseverar, enfrentar mesmo, descer ate a calcada de sua casa, para ir aos poucos chegando perto da casa de sua mae e a outros lugares que deseja e precisa ir, poxa, é tao dificil, mas tao gratificante michele, passar a se observar igual essas postagens o Dr Arthur, ai ai, como ele me ajudou e ajuda, pena q ele nao possa postar muitas cooisas, mas michele, se enfrente, pratique o q as mensagens dele diz,, leia todos os artigos dele, e principalmente, reaja, levante, ande, viva, vc tem q ter alguns planos at mesmo d infancia, e nossa felicidade e nosso existir, estao exatamente neles, em realizar dia a dia nossos sonhos, nem q sejam, tipo, tem dia q qero um lanche gostoso, que so encontro em lugares especificos e as vezes nao tenho dinheiro pra comprá-lo, mas eu dou um jeito, economizo e em pouco tempo, la se vou eu e minha filha julia para tal lanchonete reallizando o pequeno grande sonho de lanchar aquele lanche preferido, e assim vamos, indo indo em realizaçao e superação, é o que posso lhe dizer, acima de tudo Deus, tudo posso naquele que me fortalece. ore A CRUZ SAGRADA SEJA A MINHA LUZ, NAO S EJE O DRAGAO MEU GUIA, RETIRA-TE SATANÁS, NAO ME ACONSELHES COISAS VÃS, É MAL O QUE TU ME OFERECES, BEBE TU MESMO O TEU VENENO. seja forte, vc consegue, vc pode, basta confiar, saber esperar q Ele agiraaaaaaaaa. oração de sao bento. A Paz!@ juju

  7. catarine gomes

    adorei saber que posso resolver meu problema pela internet
    foi muito bom ter lido este post
    muito obrigada dr.

  8. Lucas

    Catarine Gomes aconselho a procurar ajuda especializada. Com certeza esse Blog esclarece muitas coisas e pode ser um otimo lugar pra compartilharmos nossas angustias. Mas só ele, a internet, não resolve tudo.

  9. Edgar (Portugal)

    Cada vez mais me surpreende os efeitos

  10. Edgar (Portugal)

    Cada vez mais me surpreende os efeitos das denominadas crises, ja que lido com elas ha varios anos na minha profissao (Bombeiro) e sempre me pareceram uma falta de força interior e pessoal. Pois nem mais que o mal se abateu sobre mim e eis que sofro da sindrome ha cerca de 7 meses. Tenho 29 anos, prestes a entrar nos 30 e ja nao sei bem o que fazer. A medicação tem dado algum resultado, mas o dia-a-dia é passado entre o bem estar e uma sensação de quase desmaio, ausência e medo constante de que algo me aconteca. Eu, uma pessoa operacional, que Adoro ajudar o próximo e que agora simplesmente duvido se consigo ou não entrar na ambulância ou no carro de fogo para socorrer o próximo.
    Mas o problema mesmo e que foi o que me deitou mais abaixo é que quando tive a primeira crise quase desmaiei de facto, realça saber que ia a conduzir e já ouvi dizer que é uma situação bastante frequente, mas o que mais me assustou foi o facto de quase ter perdido o control dos meus esfíncteres, o que me levou desde aí a pensar que tinha uma doença grave e que sinceramente, esse pensamento ainda não desvaneceu por completo, apesar de todos os exames que já fiz e não foram poucos, não mostrarem nada de mal comigo.
    Gostava mesmo de saber se já e passou isto com alguém, se já tiveram uma sensação de desmaio tão grande que quase tenham perdido o seu control de esfíncteres e que pensem que existe alguma doença bem grave assimilada.
    Muito obrigado, um bem aja ao responsável do Blog que sem dúvida é uma ajuda e um impulsionador do bem estar do mundo e cumprimentos de Portugal, país que sem dúvida está a ser abalado cada vez mais por este síndrome que nos leva ao desespero, quase à loucura e às vezes a pensamentos péssimos de morte que se tornam depois completamente absurdos quando pensamos neles.

  11. Obrigada Dr.por ter criado este BLOG e parece que é um plágio do que senti ,pois o senhor escreveu o que vai em minha alma.Meu Deus do céu até budista eu virei para tentar entrar numa dimensão maior,eu sei lá as tais meditações,mas parece que quem sofre disso nao consegue (eu acho) Pergunte ao pessoal que entra aqui se eles conseguem meditar ,a cabeça ta semre a 1000
    Em breve eu estarei indo a uma consulta com o senhor Deus é grande .O senhor poderia criar uma unica consulta como se fosse N/A não temos o que esconder nem o que temer ja estamos no fundo do poço é uma infelicidade muito grande.
    Hoje passei mal dormindo,tive um pesadelo me deu suador,e o tal mal estar ai não sabia se tomava o rivotril ou um outro que ele me receitou para me deixar mais esperta de dia e eu percebi que este me dá muita dor de estômago até desinteria eu tomei metade e foi catastrófico.
    não sei se eu chego no fim da minha caminhada ,ta insuportável,o rivotril me deixa bem mas eu não vivo mais.eu sou triste só penso em ficar debaixo das cobertas estou com 70 quilos eu que pesava apenas 60 é demais…E minha vida sexual com meu amado marido ja era,eu virei um corpo sem alma.

  12. Alda Ribeiro

    Para o Edgar!

    Edgar… tudo o que vc relata já ocorreu comigo e com várias pessoas deste site. A diferença é o modo como encaramos a doença!

    Olha, procure um bom psiquiatra pra te medicar e um psicólogo pra esclarecer essas dúvidas que vc tem. Tente descobrir como e onde foi a primeira crise e o que causou tanto mal estar. Não é fácil, eu sei, mas com força de vontade e coragem, já já isso tudo passa. Se quiser me escrever, fique a vontade: aldagaldin@msn.com.

    Podemos ser amigos!?

  13. Alda Ribeiro

    Thais! Pára tudo!

    SP, depressão e sem marido!?

    Acorda menina!!!

    Faz uma forçinha, continua com o medicamento, as primeiras semanas são mesmo difíceis! Já já seu organismo aceita o remédio… acredite!

    Quanto ao marido! Corre pros braços dele!!! Ele, depois do médico é a melhor pessoa pra te ajudar a sair dessa. E tem mais, isso não dura pra sempre, quando vc ficar boa, quem vai continuar sua história com vc?!

    Ai ai ai!

    Bjos

    Alda Ribeiro

  14. Fernanda

    Muito bom!
    Amanhã acorderei com novos pensamentos e perpectivas para o meu dia!
    Não tinha parado para refletir sobre isso …

    Obrigada!

  15. Rebeca

    Gente, é impressionante como os sintomas são iguais para todos!!
    Comecei a sentir ansiedade faz mais ou menos 1 mês, e no começo foi mto dificil. Sempre achava que ia morrer. Mas com o conhecimento desse mal, e usando as dicas de respiração e auto controle estou conseguindo ficar praticamente boa.
    A dica desse post também é otima, mas vou seguir a indicação do médico e procurar um psiquiatra. O meu problema é q estou ainda resistente a tomar remédio. Eu acredito q com força de vontade é possível superar apenas com psicoterapia, mas independente disso, vou seguir o q o médico mandar que é o melhor.
    Alda, obrigado pelas palavras de otimismo. É mto bom ver que existe pessoas que superaram esse mal.

  16. Humberto

    Que maravilha de orientação.
    Vai ajudar muita gente. Já estou praticando.
    Deus abençoe a todos por essas dicas!

  17. celiza

    Foi muito bom conhecer este blog, pois clareou muitas duvidas que eu tinha em relação ao Panico, pois o meu esposo é que tem sofrido deste mal. Ele já faz tratamento há 4 anos e meio tomando medicamentos e ele não tinha crises visiveis de ansiedade e o medico ficava em duvida quanto ao diagnostico (sindrome do panico ou esquisofrenia). Aproximadamente 7 meses trocamos de psiquiatra, pois não percebiamos resultado e como novo psquiatra (diagnosticou sindrome do panico) ele trocou de medicamentos e aproximadamente 10 dias ele tem sofrido crises diarias de ansiedade esta tomando rispiridona 3mg, amytril 3 comp. diarios, toperanato (estabilizante do humor) 1 pela manhã e outro noite e tomou uma injeção no consultorio que ele disse ser fluvenal mas não tenho certeza do nome. Na proxima semana ele vai trocar o rispiridona pelo ziprexa, pois ele sente que esta ficando impotente (não sei se é realmente verdade, pois não percebo diferença)
    E diz constantemente que quer morrer.
    Somo casados a 10 anos e tento ajuda-lo de todas as formas, temos 02 filhos um de 8 e outro de 7, que procuram ajudar o pai e se mostram muito preocupados. Os dois fazem terapia semanalmente com uma psicologa,já a um 1 ano e meio como forma de prevençao. Mas meu esposo não quer fazer terapia para ajudar a controlar a ansiedade, por isso leio bastante para ajuda-lo, sou psicopedagoga e tenho tentado desenvolver algumas tecnicas com ele, mas não tenho percebido muito resultado.
    Vou continuar tentando, pois quero a recuperação dele. Somo evangélicos e temos buscado em Deus a cura dele, sabemos que os medicos e remedios são instrumentos de Deus na vida das pessoas e ele não pode deixar de toma-lo, mas depositamos a nossa total confiança em Deus.
    Eu am0 muito meu esposo e não posso abandona-lo neste momento
    Muito obrigada pela ajuda
    Abraços. Celiza

  18. Fabíola

    Boa Noite… Acabei de achar este blog buscando “calma”, pois tenho panico disgnosticado ha 1 ano e vivo achando q vou morrer a qualquer momento. Hj em dia ja estou menos maluca, mas a pouco tempo cheguei a emergencia do hospital 3 vezes na mesma semana com sintomas de infarto. Tenho pavor de morte subita. Faço tratamento psiquiatrico (esse é o segundo medico), adoro a conduta dele, mas sou pessima paciente, pois qdo estou melhorando abandono os remedios e depois enlouqueço meu marido e assusto meus filhos. Tento viver cada dia, mas sempre acho q não havera amanha, e isso ocorre normalmente a noite. Alguem ja se sentiu assim e se curou ????
    Abraços a todos

  19. Fábio

    Ontem eu tive certeza de que iria morrer. Hoje eu acordei e vi que estou vivo. Achei que teria um avc, isquemia, ou qualquer coisa que me matasse. Nesses momentos eu acredito que eu possuo a capacidade de me auto-aniquilar; que o nervosismo que eu produzo em mim mesmo vai fazer com que minha pressão suba tão alto que meu corpo não aguente. Eu realmente acho que posso fazer isso. Ando de um lado para o outro, fico ofegante, palpitação, não consigo parar e respirar calmamente. Estou em meio a um curto circuito cerebral. Situação desagradável é adjetivo que não serve, trata-se de sensação aterrorizante. Minha crise de ontem, infelizmente começou a noite, após o banho, por que me contaram que um amigo de um amigo teve uma isquemia depois do banho e eu me lembrei disso. Consegui dormir somente as três e meia, porque achava que se dormisse estaria liquidado. Na terapia estou tentando observar as situações que desencadeiam todo esse curto circuito. O que se passou antes, o que está se passando, o que está programado para acontecer (como uma viagem, um encontro, etc). Acho que o processo de auto-conhecimento é um desencadeador em si mesmo; me parece que a cura passa por um processo extremamente doloroso. Eu ainda acredito que este seja o caminho, mas estou ficando muito cansado. Minha vida é muito, mas muito legal para quem vê de fora de mim. Eu mesmo, quando consigo racionalizar o que é a minha vida, fico maravilhado. A ansiedade que me gerada pela busca de controle extremo, e pela sensação de não possuir controle algum, acaba me aprisionando às sensações horrorosas do pânico.

  20. Kátia

    Para o Fábio

    É exatamente isso, é um ciclo, tentamos buscar controle mas parece que somos impotentes para conseguir ter esse controle e aí a ansiedade vai aumentando, vamos ficando descontrolados… é um horror!!! Fico imaginando que foi possível viver tantos anos sem conhecer essa praga de doença, então é possível voltarmos ao nosso estado inicial. Somos capazes disso, ainda estamos vivos não estamos?? Nós, que temos isso, sabemos que é horrível e muito difícil, mas vamos superar, não podemos continuar morrendo em “vida”, não estamos aqui pra isso, o nosso cérebro não poderá continuar nos traindo assim.

  21. Kátia

    Oi, pessoal!
    Não entendi muito bem como fazer esse exercício do “eu que observa”. Eu fico imaginando como se estivesse de fora me observando?? Realmente fiquei em dúvida… se puderem me ajudar, ficarei muito agradecida!
    Que tenhamos muita força e fé para superar essas sensações horríveis que, de repente, entram em nossas vidas sem pedir licença e destróem a nossa paz…
    Mas nós seremos capazes de superar isso. Abraços!

  22. Manuela

    Olá! Tenho 28 anos, sou solteira, fisioterapeuta, tenho uma família maravilhosa e sofro de TAG acho que desde que nasci. Ninguém entende porque me cobro tanto, porque entro em crises repentinas por problemas pequenos, porque não me sinto amada, porque sofro tanto. Minha vida gira em torno das minhas crises de ansiedade. Tratei depressão por mais de 10 anos, até que uma médica disse que não era isso que eu tinha, e sim o transtorno generalizado. Hoje faço acompanhamento com psicóloga, tomo a medicação, mas sinto que estou cansando de ter que lidar com esses altos e baixos todos os dias. As vezes penso, que tirando algumas doenças que são muito graves, esses transtornos mentais são as piores doenças que existem. Ninguém vê, ninguém entende e só você sente e ainda precisa escutar que não tem motivos para ficar assim. Depois que iniciei o tratamento consigo ter pausas na ansiedade que antes era constante, mas hora ou outra tenho recaídas (como hoje) e penso que nunca serei uma pessoa normal. Sim! É assim que me sinto. Como se eu não fosse como as outras pessoas. Por muitas vezes me pego pensando como seria viver sem o TAG. Como eu reagiria perante as situações. Como seria viver sem sentir tanta angústia interior. Mas vejo que esta é uma realidade distante, talvez nunca aconteça… E aos trancos e barrancos, vou levando um dia após o outro, tentando ser forte, muitas vezes fingindo ser… e tentando aceitar que esta sou eu. Desejo força a todas as pessoas que passam pelo mesmo que eu, pois entendo o quanto é difícil viver assim.

    • Rafael

      Olá Manuela, também tenho ansiedade desde a infância. Decorrido mais de 30 anos, hoje consigo controlar quase que totalmente o problema. Segue algumas dicas:
      – Quando as sensações/pensamentos ruins vierem, pense assim “Nada de anormal está acontecendo, são só situações sem lógica criadas pela minha mente”.
      – Procure ocupar sua mente saindo com os amigos, dando uma volta pelo bairro, etc. Mesmo que você não esteja bem , não fique em casa “martelando o problema”, isso só vai piorar a situação.
      – Procure frequentar uma igreja, leia a bíblia. Jesus disse em João 10.10 – “….Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância”.

  23. Davi Alves da Silva

    Olá Doutor Arthur,tudo bem?
    O meu nome é Davi,tenho 17 anos e tenho uma genética horrível para esses problemas de ansiedade e depressão. Estou sofrendo com ansiedade a alguns meses,uma vez fui parar no hospital ao ponto de ter um ataque cardíaco,cheguei lá o médico disse que era só ansiedade. Fiquei até tranquilo por uns dias,mas depois voltaram tudo à tona. Já tomei um remédio ansiolitico,mas não resolveu em nada. Meus pensamentos são minha escravidão. Já li muito sobre isso. O seu blog está me ajudando,e já tem uns dias que estou sofrendo e tendo sintomas da síndrome do pânico. Marquei consulta com a psicóloga,e por ser “gratis” tem que ter a espera. E essa espera é que me deixa mais ancioso. Dr. me ajude,preciso superar isso,pois trabalho e estudo e não posso conviver com isso. Se puder entrar em contato comigo lhe agradeço. Muito obrigado. Curto muito as suas postagens e seu blog. Deus te abençoe.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit