A pessoa ansiosa vive tomada de preocupações, expectativas sobre algum perigo que ronda, algo que possa dar errado, que ela possa passar mal… Sua mente é produtora de pensamentos e imagens em série que antecipam perigos e criam cenários catastróficos.

A pessoa vive voltada para o futuro, interpretando os dados atuais como indicadores potenciais de que algo possa dar errado, sair do controle, iniciar algum processo caótico…

Em sua mente começa a se projetar um filme com cenários catastróficos. Longe do momento presente e atenta a este filminho, a pessoa “sofre por antecipação”. Ela ainda não entrou no avião mas já sofre com a idéia de que pode passar mal lá dentro e não tenha como sair. Estando ainda em casa a pessoa sofre ao se imaginar passando mal na frente dos colegas na reunião do escritório. Temendo ter uma crise de pânico a pessoa evita sair e expor-se.

A projeção de cenários de perigo leva a um sofrimento antecipado e a comportamentos de evitação.

Muitas destas expectativas derivam do receio de repetir algum episódio de ansiedade vivido, um medo de repetir um trauma. Porém é comum que a pessoa exagere muito nesta expectativa imaginando que o resultado pode ser muito pior do que foi na última vez…

É importante se diferenciar deste cineasta do terror que cria tantos filmes mentais com enredos e cenários assustadores, deixando o sujeito em estado de sobressalto e ansiedade frequentes.

19 Comments
  1. Denise Mendes

    Artur,gostaria de saber como fazemos para interagir com você?através de comentários?

  2. daiane

    Boa tarde doutor !

    Sou a Daiane e tenho 27 anos .
    Eu encontrei seu blog agora , após ter uma crise.
    Descobri que tenho pânico a uns 2 anos , quando meu esposo chegou do trabalho as 18h, eu estava rindo sem saber porquê , e foi piorando começei a rir cada ves mais e falar coisas sem sentido começei a gritar rir e chorar ao mesmo tempo, cuidar de um vidro de vinagre como se fosse um bebê ,e brincar como criança.
    Ele chamou minha mãe , e os dois não sabiam oquê fazer fiquei assim até as 5 horas da manhã qdo consegui dormir . Quando acordei 10h da manhã começou tudo de novo e assim foi até umas 16h ,até me levarem para o hospital , lá fui muito mal tratada e amarrada , depois fiquei em uma clinica de repouso por 3 dias.
    Estou indo a psiquiatra, agora conversamos bem pouco, fui em duas psicologas mas só ficava mais ansiosa. Tomei por um tempo rispiridona e agora tomo citalopran 20mg e alprazolan 0,50 .
    Desde aquela crise agora sempre que fico nervosa começo a rir gritar e falar coisas sem sentido , bem menos que antes, mas me sinto indefesa e fraca. Tenho sorte do meu esposo ser muito compreensivo comigo , mas estou cansado cada vez mais as pessoas que me amam.
    Nunca consegui ser dependente, era dependente da minha mãe e agora sou do meu esposo . Eu queria que eles sentissem orgulho de mim e pudessem me ver como uma mulher forte e independente.
    Não estou trabalhando , e perçebo que as pessoas olham para mim como se eu fosse uma pessoa mimada , até as pessoas que me amam as veses pensam assim , por mais que me demonstrem amor eu sempre acho que não sou tão amada .
    Enfim me sinto uma inútil, quando eu estou bem eu prometo a mim mesma que vou ser forte , que vou me controlar e pareçe tão fácil , mas quando perçebo aconteçe tudo outra vez . O meu esposo e minha mãe também estão tomando anti depressivos por minha causa. . .
    Me desculpe por esse desabafo tão longo, mas estou desesperada não sei mas oque fazer é cada vez mais assustador não ter o controle das minhas próprias ações;
    E nunca vi oquê eu sinto tão bem explicado , pareçe que quem escreveu estava me descrevendo .
    SOCORRO , por favor se puder me ajudar , eu só quero ser uma pessoa normal ,moro no Rio Grande do Sul .

    • K.

      Daiane, bom dia.

      Sou um executivo da Indústia Têxtil e por anos foquei em trabalhar, especificar-me para diversas conquistas.
      Venho de uma família de classe média baixa e fui criado com o necessário, sem qualquer luxo, mas tive uma boa educação, meus pais foram muito presentes, mas a expectativa para comigo era grande, pois o sonho deles era que eu seguisse a carreira militar, fato que não ocorreu…fui até cadete do exército e pedi baixa e segui meu caminho.
      Desde então vivo numa correria danada em tentar sempre superar-me, não só no âmbito profissional, mas como também pessoal. Focava somente nos bens materiais….a vida seguiu e hoje casado há 5 meses, depois de uma aula de boxe, do qual já faço há 8 anos, senti uma sensação estranha como, sudorese, falta de ar, vômito, muito dor na cabeça e chorava feito uma criança…passei dois dias chorando sem parar. Fiz todos os exames cardiológiocos e posssíveis e fui diagnosticado como depressivo. O que para mim era foco e mal humor, na verdade era depressão que desencadeou um ataque de pânico.
      Isso tem exatamente 1 mês, estou sendo assistido por um psiquiatra e tomando meus remedinhos, mas o que deixou-me muito bem, renascido, foi sentir a presença de Deus. Voltei à Igreja Católica, onde há muito tempo, uns 20 anos não participava mais das missas e hoje sinto-me mais confiante e com uma paz no coração que não sei explicar.
      Acho que tem que manter a calma, procurar um bom psiquiatra e se “agarrar”em uma religião, seja ela qual for, buscar o canal com intangível, com Ele propriamente dito, Jesus!
      Agora vivo um dia de cada vez, as pequenas coisas, coloquei-as em seus devidos lugares, como pequenas e sigo minha vida mais confiante.
      Tenha fé, vontade, e não se sinta menos do que ninguém! Não se compare nunca com ninguém..somos únicos. Viemos nu e a morte é certa, siga seu coração e procure confortá-lo. Deus está com você, aí, do seu lado, só acene para ele e peça ajuda. Ele lhe acolherá em seus braços e tenho certeza que sua vida vai mudar, como a minha mudou.

      Fique com Deus.

      Abs

      K.

    • renata

      procure uma igreja evangelica o mais rápido possível,conheça o poder de deus,deixe ele entrar na sua vida, tudo de ruim vai embora, vc vai ser uma pessoal normal, que dará orgulho e sentirá orgulho de vc mesma,vc não precisa passar por isso, vc é a semelhança de deus,ele te ama.

    • Ana Paula

      Tive crises de depressão e ansiedade a vida inteira, tomei Venlafaxina, Alprazolan e Carbamazepina durante os ultimos 5 anos, mas sempre com algum sintoma ruin, no começo eles foram muito bons porque me tiraram de uma crise de dor de cabeça que já durava 4 meses e o cabamazepina me ajudou com as crises convulsivas. Dois meses atras me indicaram a MARAVILHOSA doutora Claudia e ela me disse pra parar com todos os remedios porque eles não estavam mais fazendo nenhum efeito bom em mim e me receitou o Razapina que fez um milagre na minha vida. Me sinto infinitamente bem disposta, mais calma, NENHUMA DOR DE CABEÇA desde a primeira semana, sinto uma coragem de viver que nunca tinha sentido antes, o proximo excelente sintoma pode não ser muito bom pra muitas pessoas, mas foi otimo pra mim estou comendo como nunca comi antes, quando eu ficava nervosa não bebia nem agua e hoje ja ganhei peso, pois eu tinha a aparencia magra e doente… acho que vale a pena tentar controlar o apetite, pois os outros efeitos são MUITO bons. Nas minhas 3 horas de viagen de volta do trabalho no fretado eu tomava o alprazolan pra dormir porque eu achava que a qualquer hora o motorista ia bater o onibus e ficava enjoada a viagem toda, agora eu volto lendo meus livros que estavam abandonados e a partir de agosto voltarei estudando ja que aos 40 anos vou começar a minha primeira faculdade. Consulte seu médico, fale do Razapina, peça pra experimentar, tenho certeza que te fará bem, não sei quanto ao seu peso e isso sim precisará ser bem controlado, porque se você começar a engordar demais ficará infeliz.

      • Danilo

        Bom dia. Li sua postagem de 18/06/2013 sobre o uso de RAZAPINA. Você continuou a tomar por quanto tempo? Ainda toma? Teve algum efeito colateral ao longo do tempo?
        Agradeceria se me respondesse. Meu psiquiatra me passou esse remédio mas fico preocupado com os efeitos colaterais.

  3. Edinéia

    Parabéns pelo seu belíssimo trabalho e sua disposição em nós deixar atualizados com suas informações. Aqui no blog e no seu site pude tirar muitas dúvidas.
    Obrigada;

    Edinéia.

  4. Nadia

    Desejo parabenizá-lo pelo ótimo trabalho que vem fazendo nesse blog. Trata o assunto de forma a aliviar os corações apertados e desesperados com este tema tão difícil.
    Eu venho brigando com esta coisa a 4 anos e no último ano tenho trocado de medicamento como se troca de roupa. O único que ainda permanece é o Rivotril. Já usei Lexapro, Donaren, Luvox, Valdoxan e agora uso a Razapina a uns 4 meses, mais já prestes a mudar, pois não vejo resutado satisfatório.
    Isto é uma doença infernal. Quando menos esperamos lá vem aquele estado de sofrimento.
    Tenho conseguido administrar um pouco melhor depois de interagir com o blog e saber que existem milhares com o mesmo problema e também saber que não estou ficando louca.
    Abs.

  5. rebeka teixeira

    ola tenho 38 anos e tive crises de nervos a pouco mais de 4 meses ,qdo fui ao pronto socorro com a crise me disseram que era depressão pos parto pq tenho um bebe que hj ta com 1 ano e 4 meses e depois estas crises nunca mais fui a mesma vivo mto nervosa ,sempre calada não tenho vontade de conversar com ninguem chego a me irritar qdo as pessoas ficam puxando assunto ,tenho mta falta de ar por conta disto ja fiz um eco um eletro e raio x do torax e graças a Deus não acusou nada e de uns 15 dias pra ca venho tendo tipo uma dor no peito que as vz se parece como um bolo no peito e isto vai me deixando com mais medo ainda ,depois desta crise tbem fiquei com um medo enorme de morrer que me acompanha desde então não posso nem ouvir falar em doença ou morte que ja fico mto mal e é so chegar a noite que começo a pensar que vou infarta ou que vai acontecer algo de ruim com meus filhos ,DOUTOR ME AJUDE O QUE O SENHOR ACHA QUE EU TENHO ME RESPONDA POR DEUS ,,OBRIGADA

  6. Roseli de Araujo

    Doutor o senhor disse tudo! “Medo de repetir traumas” sempre tive medo disso só que não tinha consciência, muito bom o blog faz 02 meses que tive um ataque e desde então vivo em estado de alerta, mas tenho lutado muito e já consegui me livrar do rivotril tomo apenas a sertralina, espero em breve ficar boa.

  7. Johnny

    Uma pessoa que tem Pânico, pode receber o mesmo tratamento de uma pessoa que tem Fobia Social?

    Eu ouvi dizer que os tratamentos são muito parecidos ou ate mesmo iguais. Ou seja, fique tranquilo se o responsável pelo seu tratamento não sabe ao certo se você tem um problema ou o outro, de qualquer forma, vai dar certo.

    Isso tem um pouco de verdade ou estou enganado?

  8. ana amelia

    Dr eu sou do interior do CEARA, tenho 32 anos e desde criança sofro dos nervos, mas com o passar dos anos as minhas crises nervosas estão aumentando…chego a pensar que nao vou mais respirar e que meu coração ta batendo fraco…tenho que sentir a minha respiração…trabalho como representante comercial na minha cidade e meu transporte é uma moto e por isso fico achando que vou morrer a qualquer momento e deixar meu filho…fico o tempo inteiro medido meu pulso, e as vezes da um aperto no estomago como se eu fosse morrer naquele momento, tem dias que sinto meu corpo muito quente, tem dias que dá uma angústia enorme mas que na minha cabeça a todo instante eu vou morrer do coração… me ajude DR,,abraços

    • Carlos Eduardo de Carvalho

      Ana amélia, acalmese, vá tomando seus medicamentos, volte ao médico, isses pensamentos são normais, e todas reações não são anormais, elas vem porque vc está doente emocionalmente, ok bjos

  9. Chris

    Olá doutor,
    Primeiramente gostaria de agradecer pela oportunidade de poder expor minha experiência com a Síndrome do Pânico que dura 11 anos. Tudo começou quando eu tinha 15 anos com uma súbita crise, eu estava sozinha em casa e de repente comecei a tremer, minha boca ficou seca, coração acelerado e uma sensação assustadora de que eu iria morrer naquele momento. A partir daí comecei a procurar tratamentos, primeiro fui a uma psiquiatra, que só queria passar remédios, mal olhava minha cara. Atualmente estou indo a um psicólogo bem renomado aqui na minah cidade.
    No início, eu não podia fazer nada sozinha pq sentia pânico, tinha medo de multidão, medo dos meus pais morrerem… medo de tudo!
    Aos poucos, eu fui tentando superar meu problema sozinha. Comecei a andar só, aprendi dirigir (no início foi um terror), perdi o medo de multidã. Mas apareceram outros medos, como o de altura e de lugares totalmente fechados, como o elevador.
    O medo que hoje me deixa refém da doença é o de ficar sozinha em casa. Ás vezes me dá uma tristeza, sabe? Me sinto cansada de ter q lutar contra isso, de incomodar as pessoas, já que só fico em casa se tiver alguém. É uma luta diária contra meus pensamentos e medos. Não me sinto ‘livre’, no sentido de viver de acordo com minhas vontades e necessidades fisiolóficas, se estou muito cansada querendo dormir, não vou pra casa pq não tem ngm lá. Síndrome do pânico é uma prisão. Uns dizem que tem cura, outros dizem que não, apenas pode-se controlar. A única certeza que eu tenho é que só terei a felicidade plena quando me livrar dessa terrível doença.

  10. Will

    Eu não acredito. Acabo de confirmar que tenho síndrome do Pânico, que maravilha, era só o que me faltava. Estava convencido que não era isso pelo fato de não ter me acontecido desmaios nas minhas crises. Porém, pelo que li, tanto o texto quanto os comentários, é tudo o que me acontece, me passa pela mente, são as mesmas coisas. Que vou morrer, que meu coração vai parar, que não consigo mais respirar, etc.

    Como se já não bastasse, tenho Reto Colite que é uma doença intestinal que ainda não possui cura. A qual me atormentou durante muito tempo e, agora que está melhor, descubro que tenho Síndrome do Pânico. Se eu dizer que tenho isso para minha mãe que tem pressão alta, ela endoida de vez, ou tem um ataque. Já sofreu quando a minha Colite estava forte. Vou ter que eliminar isso sem envolver pessoas próximas a mim. Já fui a um psiquiatra, mas o mesmo só serve para receitar o remédio, é uma pessoa comum que não ajuda em nada, só o remédio que alivia um pouco as sensações. Mas não a elimina, sinto todos os dias, principalmente no trabalho e em viagens.

    Não vou desistir, sou um cara de personalidade forte, sei dos motivos por eu ter isso, no entanto, ainda não sei como e quando vou resolve-los. A vida não é fácil para ninguém. Estou completamente perdido… mas a esperança de algum dia ser feliz é tão grande que me faz lutar. Só que é estranho lutar contra a mim mesmo, é uma loucura. Se eu ganhar vou perder? Se eu perder vou ganhar? Ahahaha, faço piada só para descontrair. Mas não tem a mínima graça…

    • Caroline

      Will, sua situação é muito parecida com a minha. Tenho reto colite e por causa dela desencadeou a sindrome do pânico com fobia social. Vou começar o tratamento essa semana (estou com medo até de tomar os medicamentos) mas não aguento mais essa tortura, essa vida aprisionada ao medo. Sou cristã e creio muito em Deus. Acredito que isso seja uma forma de tornarmos mais fortes e ajudarmos outras pessoas com o mesmo problema. Meu psiquiatra disse que meu caso é simples de resolver, estou crendo nisso também. Se quiser trocar experiências pode me escrever: caroline-g@ig.com.br. Abraços e Deus abençoe a todos nós.

  11. abela rafaela

    Oi meu nome e rafaela a alguns anos sofro com uma tristeza q nunca passar ja passei por varios tipos de medicamento, e a uns dois anos descobri q e depressao , hj tomo rapazina eatou nos primeiros dias com medo de nao passar, pois tenho uma filha linda e um marido q me amam e eata pasado por isso comingo …as vezes tenho vontade de deixa ele pois me sinto infeliz sem sentido na vida , vivo sem vontade nenhuma …as vezes queria entender o pq disso tudo …nao sou rica mais temos tudo q podemos …eu sou infeliz e queria ajuda pra entende isso

  12. Estela Fonseca

    OLÁ!
    Boa noite!
    Conheci seu blog hoje; Foi indicação e, gostei muito!
    Sofro de depressão e Síndrome do Panico , é horrível!
    Meu sonho é me livrar disso tudo, é sofrimento para mim e para quem está á minha volta.
    Faço uso de medicamentos e terapia; Mas, ainda não encontrei o que procuro, ficar livre , livre para viver!
    Me ajude, se poder!
    Obrigada!

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit