O ataque de pânico e o sofrimento dos bebês

As pessoas que têm ataques de pânico relatam um sentimento de desamparo e desespero profundos. Elas se sentem a deriva, sem controle, com a sensação de catástrofe iminente.

Esta experiência é tida como estranha pela maioria das pessoas adultas, que não tem lembrança consciente desta experiência.

O que a observação clínica sugere é que a experiência vivida numa crise de pânico possa ter um parentesco com experiências vividas em idade precoce, pelos bebês.

O bebê é totalmente dependente da mãe. Sem a mãe, ou alguém que a substitua, o bebê morreria. Morreria por falta de alimento, por exemplo.
Quando o bebê precisa da mãe e esta se ausenta o bebê chora. Este choro que “chama” a mãe, pode transformar-se num choro de desespero, caso a mãe demore a voltar para aliviar o sofrimento que consome o bebê.

Esta resposta emocional intensa pode estar impressa no cérebro emocional desde tempos remotos, quando habitávamos as savanas africanas. A ausência prolongada da mãe poderia representar o destino fatal de ser deixado para trás, ser devorado pelos predadores ou morrer de inanição.

Este sofrimento é intenso, desesperador e provavelmente incompreensível para o bebê (investigar o que passa na mente dos bebês é uma das áreas mais interessantes de pesquisa em Psicologia).

A sensação de desamparo e desespero vividas por alguém que tem uma crise de pânico parece ter algumas semelhanças com esta experiência do bebê.
O adulto logo busca um sentido para seu sofrimento e sua mente é povoada de interpretações catastróficas para o que vive: estou tendo um ataque cardíaco, vou morrer, vou desmaiar, etc. Quanto mais acredita nestes pensamentos negativos, mais fica ansioso e se desespera.

O que pessoa precisa é aprender a suportar este desamparo, esta angústia sem nome e sem sentido que a toma. Se para o bebê este estado poderia representar a morte, para o adulto em pânico poderia significar um grande sofrimento, porém passageiro e para o qual vai aprendendo a tornar-se cada vez mais tolerante.