Há um caminho terapêutico eficiente na terapia dos Transtornos de Ansiedade, como a Síndrome do Pânico (Transtorno do Pânico) e a Fobia Social.

Quando se sente ansiosa, a pessoa fica aflita e vive lutando contra com o que sente – os sintomas da ansiedade – como se estes fossem sinais de um perigo iminente.

Porém, quanto mais alguém luta contra a ansiedade, mais ansioso se sente, mais sintomas tem, e logo mais ameaçado vai se sentir por aquele estado que tenta evitar. Esta batalha contra a ansiedade é uma batalha fracassada.

O verdadeiro caminho de recuperação é oposto e até contra-intuitivo. A pessoa quer se afastar do que sente, mas o que realmente ajuda é aprender o modo certo de se aproximar da experiência ansiosa.

Primeiro, é necessário perder o medo das reações corporais. Reações que acompanham um ataque de ansiedade como taquicardia, falta de ar e tontura são desconfortáveis, mas não precisam ser vividos como perigosos.

Geralmente a pessoa vive estas reações como alarmantes e desesperadoras, acompanhadas de pensamentos automáticos negativos de que poderiam trazer consequências catastróficas. Esta aversão e medo precisam ser transformados. Há estratégias e técnicas para isto.

Por exemplo, através de técnicas de exposição gradual às reações corporais temidas é possível transformar a relação com estas sensações e aumentar a tolerância a ansiedade. Este processo pode começar com um treino onde se aprende a observar os sinais da ansiedade sem tentar controlá-los. Observar e aceitar.

Depois se parte para técnicas que produzem – gradualmente – aquelas reações temidas. Este processo gradual e controlado vai produzindo uma reaprendizado sobre a ansiedade e todas as reações corporais concomitantes.

Após esta etapa de exposição interoceptiva – exposição as sensações corporais – há um aumento significativo na tolerância aos sintomas da ansiedade, geralmente com uma diminuição significativa na ocorrência de ataques de ansiedade.

Porém, nesta etapa, os ataques continuam a ocorrer esparsamente e a pessoa ainda se sente um pouco vulnerável e insegura. Neste momento intermediário da terapia vamos partir para um mergulho mais profundo nas fontes reais das crises de ansiedade.

Quando não são mais as reações do corpo que ameaçam, chegamos mais próximos das raízes das crises de ansiedade: a ameaça trazida por estados psicológicos profundos de vulnerabilidade. Estes estados são compostos de sentimentos antigos e experiências intoleráveis que não foram bem assimiladas. Através de técnicas específicas, é possível ir se aproximando destas experiências, onde comumente encontrarmos sentimentos profundos de abandono, solidão, fragilidade, desamparo, fracasso etc.

O caminho terapêutico de superação está em ajudar a pessoa a entrar gradualmente em contato com aquelas experiências emocionais. Aquilo que era estranho, indizível e insuportável, vai podendo ser experienciado, nomeado e tolerado.

Assim como foi necessário aprender a tornar as reações corporais suportáveis, agora é a vez de tornar suportáveis os estados emocionais e dores psicológicas mais profundas, para que a aproximação destes deixem de disparar reações intensas de ansiedade.

Sempre que estas experiência profundas ameaçavam surgir, o sujeito se assustava com as primeiras reações em seu corpo, sendo enredado por uma espuma de sofrimento superficial que não lhe deixava entrar na raiz mais profunda do problema. Precisamos remover a espuma do medo das reações corporais para ajudar o sujeito a confrontar suas angústias profundas e assim se libertar das crises de ansiedade.

Para percorrer este caminho precisamos de um processo estruturado. Nisto reside a eficácia de um tratamento especializado.

por Artur Scarpato.

21 Comments
  1. Veronica Martins

    Depois que encontrei este site, posso dizer que minha atitude mudou completamente em relação ao meu problema de transtorno do pânico e ansiedade. Estou tentando aceitar o que sinto. Suspendi meu medicamento antidepressivo que só me deixava pior, tinha ataques todos os dias e uma depressão depois que sentia as crises. Fico a pensar que se eu pudesse fazer este tipo de terapia ficaria curada. Com estas informações esclarecedoras do site mudou bastante minha vida, tenho muitos dias sem sentir nada, estou feliz . Agradeço ao Artur Scarpato .

    • elisa

      Oi. Tudo bem? Nao sei quanto tempo tomou a medicação, mas as primeiras semanas sao realmente mais sensiveis. É como se o problema aflorasse. Ao menos foi assim comigo.

      Parar o remédio, do nada, não é o indicado. Se você se dispos a tomar a medicação, siga o tratamento 🙂

      Agora, tratamento terapêutico é indispensável. É nele que você descobre a origem dos medos. Mas não é um processo fácil. Causa dor, traz o choro… e até parece que a gente fica pior (e realmente fica no começo. … pois abrir o buraco dos medos e traumas nunca é fácil, mas depois de vencer essa etapa é só evolução e melhoria!).

      Já passei por sintomas terríveis. Terríveis! Mas estou mais de 90% curada. Parece que nunca vai passar, mas passa.

      Cada caso é um caso… cada pessoa tem um sintoma… uma origem desse sintoma…

      Desculpe a intromissao… E espero que meu recado te ajude de alguma maneira!!

      bjss

  2. M.

    Oie..
    Adorei o seu blog.

    fiz um blog para contar sobre minhas experiencias e ajudar as pessoas que tem problemas psicologicos, sociais, etc….

    Entra > http://soquempassa-sabe.blogspot.com.br/

    Se quiser trocar experiencias, conversar sobre algo, só comentar lá no blog

    Beijo

    • Olá… ganhei coragem e criei também um blog onde testemunho o meu lado, o lado de quem tem ataques de pânicos e o que dai resultou na minha vida esperando poder ajudar alguém também.
      é importante unirmo-nos nesta luta.

      Um beijinho,
      Ana L.

      http://www.ihaveavoiceblog.blogspot.com

      • Oi, li o seu depoimento,tambem sofro com este problema,graças a DEUS existe Alprazolan 0,5mg, tira o estado de panico em 15 minutos, mas não gosto de ficar dependente de remedios, achei um blog de todos os que eu já pesquisei ,achei um muito interessante que parece que vai me ajudar é de um especialista dr,Artur scarpato,o blog é O Estranho que me Habita, o site é http://www.psicoterapia.psc.br/blog/, fica com Deus querida e tem CURA tem tratamento é muito eficaz.

  3. fabiulla

    oi gostaria de saber se tenho como curar a síndrome do pânico.pois faco tratamento com ante-depressivos ,e gostaria de um dia parar de tomar esses remédios.so quem já teve isto sabe realmente como e terrível esse problema.aguardo respostas.

  4. Juliana

    Quanto tempo não vinha aqui, aprendi muito com o Sr, louvo a Deus a todo instante por isso, quanto a exposição interoceptiva, faço-a todos os dias, indo pro trabalho, a escola levar minha filha, e em todos os lugares, a angustia e sofrimento com que cumpro essas simples tarefas, teem me posto a pesquisar mais e mais, para descobrir minhas raizes mais profundas, como o senhor diz. GratA.

  5. Gostei do blog. Os textos são muito bem escritos! Parabéns!

  6. Jose Santana

    oie pessoal em meados de dezembro a março de 2013 tive uma série crise de ansiedade com todas aquelas sensações horríveis que vocês conhecem, mas graças a Deus conseguir me recuperar e agora estou aqui para tentar ajudar de alguma forma, como esse blog também me ajudou nos momentos de dificuldade. Bom tomei vários medicamentos ansioliticos que me ajudaram relativamente a melhorar aquela sensações desconfortantes naquela época, agora o que realmente me ajudou a sair dessa dificuldade foi ter me apegado mais a Deus, sou católico e voltei a ir mais a missa e consequentemente rezar e entregar minhas dificuldades a Deus, todos os meus medos e ansiedades. Quando vc entrega seus problemas a Deus é como se fosse um alívio quanto ao excesso de preocupaçao que temos com o futuro quando estamos com esses males psiquicos, entao tendo alguem para entregar nossos receios, acabamos nos confortando mais e por conseguinte ficamos focados no presente. Outro ponto essencial a minha “cura” foi a prática de uma arte marcial (aikido) ela proporciona momentos de tranquilidade e relaxamento. Suspendi os ansioliticos e antidepressivos quando coloquei em prática esse relato. Espero que tenha ajudado. Fé, saúde e paz a todos.

  7. ELAINE

    gostaria muito de ficar livre desse coisa horrorosa so quem já sentiu sabe o que estou falando, gostaria de saber como fazer esses exercicios de auto-controle, agente se sente fracassada, sem fé

  8. Eu sofro com essa doença a 5 anos éla apareceu quando eu tive meu 3 filho hoje com 5 anos de dade! Depois tive meu 4 filho sentir um pouco dos sintomas mais logo desapareceu e agora depois de 3 anos ela veio de novo eu ñ aguento mais ñ faço nenhum tratamento ñ tomo remedios nada! Por favor me ajudem oq devo faser como devo agir quando estou conveçando com alguél boom os sintomas aparecem e eu fico tremula minha cabeça treme de mais eu fico muito mal

  9. Leo M.

    Bom dia
    Comecei á ler o site hoje, confesso q venho de um estado onde minha vida pessoal e professional se veêm fora de equilibrio, gostaria de fazer contato com alguém …. alguém que passou pelo que eu passo hoje. Gostaria de ouvir e conversar com alguém que não seja psicólogo. Quero muito achar uma forma de sair dessa situação que me sufoca todos os dias.

    • Manoel Ferreira

      Olá. Infelizmente sou fóbico social desde bem pequeno e só agora é que minha ficha caiu. Tive a minha primeira crise quando tinha 22 anos, cheguei a um ponto de não querer ir mais para o trabalho. Depois disso tive outras crises de depressão devido a fobia social. Simplesmente me sinto mal em dar atenção a uma pessoa. Quando a pessoa começa a falar eu entro em panico, é uma sensação horrível, mal abro minha boca, só fico vendo a pessoa falar. Se eu falar é só uma frase bem curta e pequena, se for uma frase grande fico desesperado e doido pra me afastar da pessoa. Quanto mais distante o contato com as pessoas melhor pra mim, ou melhor, pior pra mim. Até onde vai isso? Não sei, só sei que está muito difícil pra mim me socializar, é um inferno!!! A minha vida inteira foi esse inferno de vida. Onde já se viu, medo de gente!!! Que doidera cara!!! Mais estou a fim de fazer mais pesquisa pra me livrar desse problema e sinto que o meu dia de libertação vai chegar, eu creio. Grande Abraço.

  10. humberto

    sinto nervosiso e tremores nas mãos ao assinar o nome perto de outras pessoas. isso esta interferindo diretamente no meu trabalho, tenho que lidar com o publico diariamente fazendo cadastros e relatórios.alguem que ja passou ou passa por isso pode me ajudar? obrigado!

  11. Robbins

    Olá, boa tarde!

    Li muitos dos testemunhos supratranscritos neste blog e fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que sofrem de fobia social. Falando de mim. Nunca fui tímido. Quando criança, eu era constantemente convidado pela diretoria da escola para recitar e declamar poemas na presença dos colegas, diretores e militares. Enquanto muitos ao meu redor ficam amedrontados de falar em público, eu não vejo a hora de falar e adoro -sonho ser palestrante. Minha esposa sempre diz que eu sou do povo – comunicativo, falo com estranhos como se os conhecesse há muito tempo, enfim. Um dia, minha professora de Direito Civil, precisava entregar as provas mas não conseguia entender minha letra – ela meio que soletrou e eu percebi que era a minha prova. Eu escrevia em letra de forma. Comprei um caderno de caligrafia e treinei muito e hoje escrevo em letra cursiva. No entanto, desde aquele ocorrido, toda vez que tenho de escrever na frente de alguém, minha mão trava, soa demais e minha letra – que agora é bonita -, fica toda torta e tremida. Que contraste, posso falar na frente de mil pessoas, mas não consigo escrever meu nome com segurança na frente delas.

  12. A. Prates

    Obrigada. Vc foi o primeiro que expos o que realmente sinto. Em meio a uma crise, eu fico revoltada por nao querer sentir aquilo, e quero que passe logo, o que só acontece com o remedio. Vc atende no Rio? Tem publicaçoes?

    • elisa

      Boa noite pessoal, gostei muito deste site, pois aqui podemos compartilhar inumeras experiencias. Eu sofro muito com as crises de ansiedade há muito tempo… já tomei vários remédios, fiz terapia, ja passei por muitos psiquiatras e psicologos. Hj estou um pouco melhor, mas não curada, não sei se algum dia ficarei totalmente curada. Não sei se vcs tem o mesmos sintomas, mas vou aqui descrever as minhas crises … toda vez que estou exposta (para falar em público) a crise vem… ai começo sentir tremor por todo o meu corpo, minhas mãos ficam visivelmente tremulas e muito frias, o meu coracao dispara é como se ele fosse sair pela boca, minha boca fica seca, sinto tontura e até enjoos, minha cabeça fica pesada e eu sinto vontade de sumir…quando alguém me irrita ou é agressivo comigo as crises tb. vem. E agora, além de todos esses sintomas, tenho crises de choro também, é um choro incontrolável difícil de cessar. E o pior de tudo é que me sinto sozinha… primeiro pq tenho muita dificuldade para expor, escondo de todos pois morro de vergonha de sentir isso.

  13. Flávia Batista

    Este site tem me ajudado muito,parei de tomar 2 medicamentos e estou tentando viver sem eles,continuou tendo crises de pânico algumas vezes consigo me controlar outras não,as vezes fico tão revoltada pois nunca fui uma pessoa triste e pra baixo,sempre fui alegre e feliz e depois que passei a ter esse problema minha vida mudou completamente,muitos não entendem acham que é frescura,aqui sei que vou encontrar pessoas que vão me dar apoio e me entender,coisa que eu não tenho nem muita das vezes nem com a minha família! Antes tinha muito medo de falar e encarar tudo isso ,hj eu luto para acabar com isso e tenho fé que irei conseguir! Abraço a todos e que possamos juntos ajudar e trocar experiências uns com os outros!

  14. Patricia Moraes

    Oiê,eu tenho 27 anos tenho muito,muuito medo de assinar o meu nome ou escrever qualquer coisa com alguem me observando,as vezes nao me sinto confortavel nem mesmo conversando com alguem,nao consigo olhar nos olhos da pessoa… me ajudem por favor,nao sei oque fazer pra perder o medo a ansiedade sei la oque é isso… nunca falei disso com ninguem,nao tenho coragem… eu nao consigo passar no medico porq tem que assinar,por favor oque fazer… beijos

  15. JOSUE LIRA DOS SANTOS

    Queria saber sobre atendimentos gratuitos na área de psicoterapia- Terapia comportamental

  16. Rita Brasilia

    Amigos, passei anos com ansiedade , tive varias crises de panico,fui levada varias vezes para o hospital.Hoje estou praticamente curada, cheguei a tomar doses de remedio ao dia , agora so tomo 1 pela manha e levo uma vida normal,saio, trabalho viajo.O mais dificil e a aceitaçao e o começo do tratamento,o psiquiatra foi muito importante, depois de passar por 3 , encontrei um que me deu esperança, hoje me sinto curada. Abraços a todos

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit