Toda pessoa com um Transtorno de Ansiedade como o Transtorno do Pânico costuma apresentar hipersensibilidade a ansiedade, que é um processo de intolerância na qual as reações físicas ou psicológicas que acompanham a ansiedade são vividas de modo aflitivo e interpretadas como perigosas.

É comum o sujeito ficar com medo e aflito com sua excitação fisiológica como batimentos cardíacos, sensações respiratórias, tremores, suor, tontura etc. Esta “hipersensibilidade” leva a tentativas de se livrar das reações ou a se tentar tudo evitar senti-las novamente, como se elas fossem terríveis, abomináveis. Há um aprisionamento num processo de aflição – evitação.

As reações corporais temidas despertam ansiedade e pensamentos negativos sobre o que se sente. Porém a ansiedade gera mais reações físicas e estas levam a mais pensamentos negativos, num redemoinho sem fim. A pessoa fica aprisionada, tentando evitar o inevitável, pois junto da emoção de ansiedade – assim como de qualquer emoção – sempre haverá excitação fisiológica.

Algumas abordagens de tratamento tentam calar esta voz do corpo, com medicações excessivas ou “técnicas de controle da ansiedade”. No entanto quanto mais se tenta abafar a voz do corpo, mais ele se revolta e grita, pois não se pode calar aquilo que a própria atitude de aversão e medo estão acentuando. Não se vence o medo com mais medo.

Há um caminho terapêutico. É necessário construir uma atitude de enfrentamento do que se sente. Esta nova atitude começa com o cultivo da atenção plena, do claro entendimento e da força interna para fazer a travessia necessária. Este enfrentamento é mais fácil quando feito através de uma estratégia terapêutica planejada e apoiada numa relação profissional de confiança.

Devemos frisar que o cerne do problema da insegurança e ansiedade não está naquelas reações do corpo. A raiz do problema está em sentimentos de desamparo e vulnerabilidade que tem raízes em traumas vividos em outros momentos da vida.

É neste ponto mais profundo que precisamos chegar para que a pessoa enfrente dores que no passado foram intoleráveis, angústias que não podiam ser nomeadas e seus grandes desafios existenciais. Estes elementos agora poderão ser reencontrados, elaborados, assimilados e integrados, permitindo que a pessoa possa se transformar para seguir mais plena em sua vida.

Enquanto não fizer a travessia do enfrentamento das reações superficiais de ansiedade, a pessoa pode ficar anos de sua vida vivendo de modo limitado, com medo das reações físicas, achando que controlar o corpo é suficiente para ficar bom, enquanto o problema está num lugar mais profundo.

É necessário mirar e atingir o alvo certo para evitar o desperdício de tempo, de anos de vida em lutas improdutivas.

12 Comments
  1. aline

    Eu tenho trastorno de ansiedade eu optei em n tomar os temedios preferir me tratar com remedio natural melhorei mas agora voltou tudo novamente sinto muitoe njoo gosto de sangue na boca e horrivel

  2. Haroldo Jose Pereira de Oliveira

    Sofro de pânico há anos, já fiz muitos tratamentos, mais não consigo melhorar, eu não era assim, pois não consigo sair de minha cidade, não consigo viajar de carro, ônibus, avião, começo a me sentir muito mal, parece que algo vai me acontecer de ruim, não sei mais oque fazer, estou pensando em fazer um tratamento com um psicoterapeuta.

  3. CECILIA

    Desde 1986 sofro com transtorno de ansiedade, que me levam de tempos em tempos á ter ataques de pânico, mas aprendi á administrar esses ataques, sem medicamentos só com muita vontade de vencer e por vezes terapia individual, só melhorei pra valer quando joguei um DANE-SE nos sintomas e tentei ir fundo no meu EU para saber o porquê desses medos infundados, e descobri que não são tão infundados assim, pelo contrário, descobri que o desamparo na infância é a causa dos meus medos, principalmente o da morte ou da vida..Bjoss!!

  4. marlieda barbosa cardeal

    Bom dia,
    em 2008 tive uma crise de panico e me tratei com paroxetina acabaram-se as crises então o medico resolveu mudar de medicamento então comecei a sentir tonturas e nunca mais parei de sentir tonturas e isso ta me deixando muito triste,pois não consigo sair que sitno tonuras o que pode ser alguem me ajude????

  5. ana paula

    Olá tomo amitril a 6 meses sinto enjoo, calafrios, muita fome e norma? tenho muita tonteira já fiz vários exames e nao tenho nada

  6. Davi Alves da Silva

    Olá,o meu nome é Davi Alves e tenho 17 anos,já fazem uns meses que sofro de ansiedade,e alguns dias estou tendo sintomas da síndrome do pânico. E estou muito preocupado. Tenho que trabalhar,estudar e isso tá me incomodando muito. O que devo fazer?

  7. Fabiana Lanzarini

    Olá!meu nome é fabiana,ja tive muitas crises de ansiedade,é muito
    Incômodo,atrapalha muito em todas as áreas da vida,no meu caso
    Tambem foi a falta de afeto e abusos na infância que deram entrada
    Para sentimentos de desprezo e inferioridade,que por sua vez
    Me levou a tendencia suicida…enfim ,à uns tres anos descobri essas
    Raízes da ansiedade e fui liberta.Deus me curou,pra isso Ele enviou seu
    Filho Jesus Cristo para curar e libertar,e claro os médicos para nos
    Auxiliar.fui ajudada por medicos tambem.e eles sao mui importantes.

  8. Tiago carvalho

    Há 12 anos começaram os meus ataques de pânico, inicialmente achei que não iria aguentar aquelas sensações e mau estar. Com ajuda psicológica aprendi a lidar com os meus medos e a conhecer me melhor. Cheguei a pensar estou curado !!!! Passei quase um ano sem um ataque destes. Hoje tive 1, e foram as nossas palavras e experiências que me o fizeram ultrapassar. Obg

  9. Tiago carvalho

    Há 12 anos começaram os meus ataques de pânico, inicialmente achei que não iria aguentar aquelas sensações e mau estar. Com ajuda psicológica aprendi a lidar com os meus medos e a conhecer me melhor. Cheguei a pensar estou curado !!!! Passei quase um ano sem um ataque destes. Hoje tive 1, e foram as vossas palavras e experiências que me o fizeram ultrapassar. Obg

  10. Olá, tenho 27 anos e a 8 meses sofro de transtorno de ansiedade, sinto uma angústia muito grande as Vezes meu coração parece que vai explodir e sinto um medo enorme da morte fui em um psicoterapêuta mais esta me tratando com remédios que me faz sentir muito mal ao tomar eles. Queria muito uma ajuda para me libertar desses remédios.

  11. Francisco herculano

    Oi barbara eu tambem tenho sindrome do panico e muita ansiedade e tomo extrato de floxcetina e extrato de amitriptilina. E sou aconpanhado por uma psiquiatra. Ja faz um ano e sempre tenho crises orriveis.tenho muito medo de morrer. O medo e terrivel meu peito doe 24 hs so penso que vou morrer de infarto. Mais ja fiz varios exames de coraçao mais deu tudo norma. Mais e muito ruim mesmo.

  12. Susana mendes

    Tentei suicídio quatro vezes, nas quais,fui internada num hospital psiquiátrico. Tomo remédios fortes, antidepressivos, calmantes.
    Perce que as situações de stress me causam excitação, misturado com medo e paixão
    Agora t ou vivendo um momento assim, a vontade é de sumir.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formSubmit