Experimentando as Idéias

Experimentando as Idéias

Uma experiência simples de observação, imitação e auto-observação.

Observando estas duas pessoas que têm a mesma idade você diria que:

                                                                

 

  • Elas têm os mesmos sentimentos predominantes ?
  • Percebem o mundo do mesmo modo ?
  • Agem do mesmo modo ?
  • Tiveram histórias de vida semelhantes ?

Para você ter mais certeza sobre as respostas à estas questões faça duas coisas:

Primeiro: observe bem a postura e a forma do corpo dessas duas pessoas, como aparecem na figura abaixo.

 

                                                       

 

Segundo: Agora imite cada uma delas, faça exatamente igual com seu corpo. 
Imitando, dê um tempo em cada uma destas posturas para tentar perceber a partir das suas sensações, como cada uma destas pessoas se sente, como vê o mundo, como tende a agir, etc.

Talvez você tenha precebido algumas coisas que o ajudem a elucidar um pouco o mundo interno destas pessoas. Talvez até você se identifique mais com alguma delas.

Agora, observando o seu próprio corpo, como você está agora, talvez você perceba que a sua forma somática cria uma outra configuração, com outros estados afetivos e cognitivos concomitantes. Cada configuração de forma somática está relacionada à experiências subjetivas diferentes.

O corpo tem uma configuração somática dinâmica que reflete:

  • a história evolutiva de nossa espécie
  • o momento da vida em que você está, assim como as transições que estão se processando em você (bebê, criança, jovem, adulto-jovem, adulto, adulto maduro, velho)
  • os modelos de corpo de sua cultura que mais o influenciaram
  • os papéis sociais que você desempenha
  • a história singular de sua vida, com todos os acontecimentos, relacionamentos, sonhos, sofrimentos e escolhas
  • os padrões somáticos de ação e vinculação que se cristalizaram e agora limitam as suas possibilidades de viver novas experiências de um modo criativo.
  • os desejos e sonhos profundos que começam a se corporificar, criando esboços de novos comportamentos, pequenas diferenciações das formas somáticas, brotos do que você pode vir a ser.

Enfim, seu corpo reflete a sua existência somática, um processo de construção e realização do self, do nascimento à morte. Neste processo você pode realizar seu potencial genético, pode realizar sua função social, mas pode ir ainda além e desenvolver um self pessoal, singular, capaz de se articular com todas as esferas da existência e contribuir para o enriquecimento da humanidade.