Aceitar a Ansiedade, Não Querer Evitá-la

“Como eu faço para desligar isto?”

Este é o desejo comum de quem tem algum Transtorno de Ansiedade.

A pessoa não apenas se sente ansiosa, mas fica aflita, querendo logo se livrar daquele estado interno.

Há um medo das reações internas, como se fossem perigosas, pudessem piorar e levar a uma possível catástrofe. As fantasias e pensamentos automáticos negativos costumam criar um cenário ruim, muitas vezes com desfecho trágico, que faz com que a pessoa tenha medo de permanecer naquele estado ansioso.

Quem tem síndrome do pânico, por exemplo, teme as reações em seu corpo e fantasia consequências negativas como ter um ataque cardíaco, desmaiar, etc se permanecer no estado ansioso.

Para quem é fóbico, a aproximação da situação ou objeto temido, leva a uma ansiedade que a pessoa avalia como “insuportável”.

Uma pessoa com TOC fica ansiosa com seus pensamentos obsessivos e sente uma urgência interna de se livrar deste estado interno através de rituais compulsivos.

Para fugir deste sofrimento temido, a pessoa busca estratégias para se livrar daquela experiência de ansiedade: sair da situação, buscar apoio de alguém de confiança, lutar contra os pensamentos, desviar a atenção do que sente, seguir rituais, etc.

O que se tenta evitar é uma experiência interna. Paradoxalmente, esta evitação da experiência é justamente o que mantém a pessoa aprisionada num transtorno de ansiedade.

Enquanto teme suas reações ansiosas, apresentando comportamentos de evitação e fuga, a pessoa mantém intocadas as fantasias irracionais e distorcidas que avaliam o estado de ansiedade como perigoso. Ela permanece presa em seus sintomas evitando as reações do corpo, os objetos/situações, os pensamentos, como se estes fossem o problema.

Na realidade o problema está na enorme intolerância a ansiedade e na constante busca de evitação da experiência. Quanto mais briga contra a ansiedade e quanto mais pensa que não pode ficar ansiosa, mais sofre por se sentir ansiosa. Aquilo que mais evita é o que mais acontece.

Essaarmadilha da evitação é reforçada por tratamentos que buscam o caminho da eliminação dos sintomas de ansiedade.

Se a pessoa utiliza recursos para “controlar” sua ansiedade, pode ter uma sensação inicial de alívio. Porém a ansiedade, como toda emoção humana, vai reaparecer em momentos de maior estresse e tensão. E quando reaparece o sujeito frequentemente vive aquele retorno como uma “recaída”, como um fracasso.

Na verdade o problema ainda não foi resolvido, o que implicaria em aprender a transformar a relação com a vivência da ansiedade.

Paradoxalmente, quando a pessoa pára de lutar contra a ansiedade, esta começa a incomodar muito menos.

Mas como fazer isto?

Na ansiedade há um bloco de reações corporais, estados emocionais e processos cognitivos. Este bloco é de difícil assimilação, produzindo uma experiência de inundação e transbordamento de emoção.

Precisamos decompor a crise de ansiedade em seus diversos componentes, discriminando cada sensação interna, cada pensamento automático negativo, cada nuance de emoção… é necessário ir desfazendo o bloco, tornando aquelas reações mais aceitáveis, familiares e toleráveis.

A desconstrução da reação de ansiedade para torná-la uma experiência assimilável é parte de um tratamento psicológico especializado.

Um bom caminho terapêutico passa por:

– Cultivar e fortalecer o “eu que observa” através de práticas de atencão plena, aprendendo a contemplar e discriminar a paisagem interna de reações corporais, sentimentos, pensamentos etc.

– Identificar e se diferenciar das fantasias e pensamentos negativos que assustam e criam cenários temíveis.

– Expor-se gradativamente a situações e estímulos que produzem ansiedade, para criar uma habituação ao desconforto sem brigar com o que sente.

Assim a pessoa aprende a criar um espaço de continência para a ansiedade, aprendendo a conviver com este estado sem ter a vida paralisada e o pensamento escravizado com preocupações de passar mal.

Neste processo, o “monstro” da ansiedade vai sendo gradativamente redimensionado e os transtornos de ansiedade vão cedendo caminho para a continuidade do crescimento psicológico.

(por Artur Scarpato)

Pensamentos escravizantes, TOC e ansiedade

No Transtorno Obsessivo Compulsivo o sujeito se vê atormentado por pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos. Vamos pensar num exemplo. A pessoa tem um pensamento de que está com as mãos sujas. Ela, então, lava suas mãos. No entanto, o mesmo pensamento logo volta a sua cabeça. A pessoa tenta dialogar consigo mesma lembrando-se que acabou de lavar as mãos, mas seu pensamento automático é insensível a razão, dizendo para ela que as mãos ainda estão sujas. Vem ansiedade e aflição com a ideia de estar com as mãos sujas, contaminadas. Na ânsia de aliviar este sofrimento, surgem as compulsões – rituais e comportamentos repetidos – que tentam aliviar a tensão e ansiedade trazidos pelo pensamento obsessivo. Neste processo a pessoa pode sentir-se compelida a lavar suas mãos 20 vezes, por exemplo, sempre sendo recapturada pelos pensamentos intrusivos que insistem na sujeira…

Há um ciclo básico no qual uma preocupação (pensamento obsessivo) gera ansiedade (emoção), e o sujeito se sente “compelido” a aliviar esta tensão emocional através de um comportamento (compulsão).

Enquanto não realiza o ato compulsivo há uma vivência de ansiedade e o pensamento se repetindo dentro da cabeça, num intenso tormento. O ato compulsivo traz um alívio passageiro da ansiedade, mas logo os pensamentos obsessivos voltam. Na verdade, a cada vez que se age para aliviar a tensão (como lavar as mãos), reforça-se o ciclo dos pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos.

Qual a saída? A proposta terapêutica que traz melhores resultados consiste em ensinar a pessoa a não aliviar sua ansiedade através de rituais e comportamentos obsessivos. Ao invés disto, aprender a conter o comportamento e suportar níveis maiores de ansiedade.

Como é comum nos Transtornos de Ansiedade, a pessoa com TOC não sabe lidar com a ansiedade que sente. Assim que fica ansiosa, começa a “brigar” com o que sente, ficando aflita por sentir-se daquele modo. A luta interna contra a ansiedade aumenta ainda mais o nível de tensão.

O caminho de recuperação passa por aceitar a ansiedade como um estado desconfortável, mas que pode ser tolerado. Se expondo ao que sente, a pessoa vai se habituando à ansiedade e esta vai perdendo força gradativamente. Como decorrência, os pensamentos obsessivos tendem a se enfraquecer paulatinamente até se extinguir. Isto é possível dentro de um processo estruturado e gradual de exposição e prevenção de resposta.

Aprender a lidar com a ansiedade é um passo essencial para superar as limitações trazidas pelo Transtorno Obsessivo Compulsivo.