Diminuir a Ansiedade Basal

A pessoa com Transtorno de Pânico geralmente passa o dia num estado de ansiedade razoável. O nível de ansiedade pode variar ao longo do dia, mas está sempre lá, causando desconforto, apreensão e expectativa que algo ruim possa acontecer. O padrão emocional da pessoa é como um copo de água que está quase cheio, onde…

Enraizar a presença no aqui e agora

O estado mental da pessoa ansiosa é caracterizado por flutuações no processo de atenção. A atenção passa a oscilar entre estados de dispersão e estados de preocupação excessiva. A mente passeia, sai de um devaneio perdido para se fixar em alguma preocupação ansiosa. Surgem preocupações sobre tragédias que poderiam acontecer, levando a pessoa sofrer por…

Os Quatro Padrões de Resposta Frente ao Perigo: lutar- fugir – congelar – desfalecer

A reação de ansiedade/medo faz parte de um sistema de comportamento defensivo construído pela evolução para enfrentar perigos. Este sistema detecta um perigo e produz respostas que visam aumentar a probabilidade de sobrevivência numa situação avaliada como perigosa. Há algumas reações básicas que o organismo apresenta numa situação de perigo. A fórmula mais conhecida de…

Trabalhar a ansiedade através do corpo e das cognições

A experiência humana é integrada. A ansiedade, que é um fenômeno emocional, se manifesta também nos níveis corporal e cognitivo. No plano cognitivo ela aparece como preocupações, catastrofizações, antecipação de perigos, etc. No plano corporal se expressa em tensões musculares, taquicardia, respiração curta, pelos eriçados, etc. No plano emocional a ansiedade é vivida como estados…

Intensidades e Cognições: as duas dimensões da ansiedade

O ser humano apresenta uma dimensão intensiva, de excitações emocionais e físicas e uma dimensão cognitiva, de processamento de informação e atribuição de sentido. Na psicoterapia atuamos sobre estas duas dimensões, tanto regulando as intensidades através de técnicas de auto-gerenciamento e da regulação pelo vínculo, como trabalhamos para reestruturar o processo cognitivo. Nos transtornos ansiosos…

Emoção muito intensa ou baixa tolerância? O dilema da ansiedade nos casos de Pânico

Podemos ver dois lados numa pessoa ansiosa e “assustada” com seus acessos de ansiedade. Por um lado a vemos como alguém com excesso de emoção, alguém que reage com intensa ansiedade a cada mudança na paisagem interna, de emoções e reações corporais. Este seria um desequilibrio quantitativo. Para lidar com ele utilizamos várias estratégias para…

A medicação, a psicoterapia e o Pânico

Um tratamento eficaz do transtorno do pânico envolve alguns objetivos básicos: (1) diminuir as crises, (2) quebrar a associação das reações do corpo como fonte de perigo e (3) capacitar a pessoa a enfrentar os sentimentos de vulnerabilidade e desamparo que disparam ansiedade. A medicação tem um efeito importante no primeiro destes objetivos, diminuir a…

A fragilidade que antecede o Pânico

Algumas pesquisas mostram que nos dois anos que antecederam o início das crises de pânico, muitas pessoas viveram situações traumáticas como perdas, separações, doenças, enquanto outras passaram por fases estressantes como problemas no trabalho, mudanças importantes na vida, etc. Estes fatores contribuíram para que a pessoa se sentisse emocionalmente fragilizada e vulnerável. A ansiedade é…

Sobre os Comentários

Não estou conseguindo disponibilizar um tempo para responder aos comentários. Sendo assim, a partir de hoje vou responder as questões levantadas nos comentários indiretamente através dos “posts”. Não darei mais respostas individuais. Os comentários são bem vindos e continuarão importantes como referência das dúvidas, impressões e inquietações que surgirem e orientarão os próximos posts. Conto…

O sentimento de fragilidade

Há momentos em que nos sentimos frágeis, como uma folha seca a ponto de ser pisada e destruída em pedaços; como um cálice de cristal no meio de crianças correndo desvairadas. Esta sensação brota de dentro de nosso ser, quando nosso corpo parece perder qualquer capacidade de reagir e nos sentimos como uma chama que…

A Função do Medo

Em certo sentido o potencial de sentir medo existe porque cumpre uma função evolutiva. Em sua vertente “inteligente”, o medo nos afasta e nos protege do perigo, seja de um perigo presente ou antecipado. Como o medo favorece a proteção da vida é bem provável que nossos ancestrais mais cuidadosos e cautelosos sobreviveram e se…